Vídeo registrou disparos em atentado na fronteira com o Paraguai - Reprodução G1
Vídeo registrou disparos em atentado na fronteira com o ParaguaiReprodução G1
Por O Dia
Rio - Duas crianças brasileiras foram baleadas nas últimas semanas, em um intervalo de apenas 14 dias, vítimas de disparos de facções em guerra pelo controle do narcotráfico na fronteira com o Paraguai, próximo a Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, segundo a Polícia Nacional do Paraguai. As informações são do portal G1. 
As crianças tinham nacionalidade brasileira, mas residiam no lado paraguaio da fronteira. Uma delas morreu e a outra teve parte do nariz arrancado. 
Publicidade
Os disparos, contudo, não foram oriundos de trocas de tiros, mas sim de atentados que, segundo a Polícia Nacional do Paraguai, são realizados com fuzis e, portanto, acabam atingindo inocentes próximos aos alvos dos atentados. 
A primeira criança a ser atingida, Brenda Micaela Arguello González, de 6 anos, teve parte do nariz arrancado enquanto brincava em frente à própria casa, no último dia 20. Ela foi atingida por três disparos, que eram direcionado a um homem que estava próximo, o alvo do atentado. Uma mulher de 36 anos também foi atingida de raspão, e foi socorrida. 
Publicidade
Segundo o pai da garota, Brenda passou por uma cirurgia para recuperar o nariz e se recupera bem, em casa.  Um dos três projéteis não pôde ser retirado e continuará no corpo da menina. 
A segunda vítima tem apenas 9 anos e foi morta junto com o próprio pai - alvo do atentado - enquanto eles estavam dentro de um carro.
Publicidade
Segundo a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), não houve registro de crianças baleadas do lado sul-mato-grossense.