Investigadores miram em beneficiários de contas que teriam recebido dinheiro desviado do programa - Arquivo/Agência Brasil
Investigadores miram em beneficiários de contas que teriam recebido dinheiro desviado do programaArquivo/Agência Brasil
Por ESTADÃO CONTEÚDO
A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira, 9, a Operação Involuto, para apurar desvio de recursos públicos destinados a compras de máscaras e óculos de proteção à covid-19 pelo município de Hortolândia, no interior paulista.
Agentes cumprem dez mandados de busca e apreensão, nos municípios de Hortolândia, Campinas, Indaiatuba, Santo André, São Paulo e Araras. As ordens foram expedidas pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região.
Publicidade
As investigações tiveram início em setembro e miram em irregularidades no uso de verbas públicas federais em quatro contratos distintos de compra de materiais firmados em março.
Segundo a PF, durante as apurações foi possível identificar que, em ao menos dois desses contratos, a cotação de preços da prefeitura foi direcionada para empresas controladas por integrantes de uma mesma família.
Publicidade
"As investigações confirmaram a existência de vínculos de amizade e de parentesco entre os sócios das quatro empresas selecionadas como fornecedoras pelo município de Hortolândia e que uma dessas pessoas jurídicas atua no ramo de fabricação e/ou compra e venda de móveis, inexistindo indício de prévia atuação no comércio de equipamentos de proteção hospitalar", indicou a corporação em nota.

Além dos indícios de direcionamento das contratações, o Ministério Público de Contas do Estado observou superfaturamento por parte dos fornecedores, totalizando prejuízo ao erário no montante de R$ 724.620,00.

Segundo a PF, o nome da operação, Involuto, vem do latim e significa rosto coberto, fazendo alusão aos objetos dos contratos investigados (máscaras e óculos) e aos eventuais destinos ocultos dos recursos públicos.