Márcia Pereira Franco, de 48 anos, e Marcelo Aninguaço de Oliveira, de 72 - Reprodução/Twitter
Márcia Pereira Franco, de 48 anos, e Marcelo Aninguaço de Oliveira, de 72Reprodução/Twitter
Por O Dia
O corpo de duas vítimas da covid-19 foi trocado na hora dos velórios, causando um transtorno além da dor da perda para as famílias, na cidade de Santos (SP), na quinta-feira (10). Os familiares de Marcelo Aninguaço de Oliveira, de 72 anos, estiveram no enterro do corpo de Márcia Pereira Franco, de 48, sem saber da confusão. Quando foi a vez da família da mulher, um funcionário da funerária identificou e informou o erro. O hospital em que as vítimas estavam internadas pediu desculpas pelo ocorrido. As informações são do portal “G1”.
Familiares das vítimas explicaram que ambos estiveram internados por 21 dias, após contraírem a covid-19. As mortes também aconteceram na mesma data, a última quarta-feira (9). Após o falecimento, os dois foram levados ao Hospital Beneficência Portuguesa de Santos, onde foram preparados para serem sepultados.
Publicidade
Antes do sepultamento, foi realizado um cortejo fúnebre de carro, em razão das restrições da pandemia. Os corpos seriam enterrados no Cemitério Areia Branca. Quando o aviso sobre a troca chegou, o corpo de Márcia Franco já havia sido enterrado no lugar de Marcelo de Oliveira. Depois de identificado o erro, o corpo da mulher foi desenterrado para que a família correta fizesse o reconhecimento, novamente no hospital.
Familiares das vítimas relataram a revolta e a indignação com o ocorrido, em um momento difícil. Gabryella Franco Nogueira, de 27 anos, sobrinha de Márcia, afirmou que a sensação da família é de “impotência, injustiça e falta de empatia”, ressaltando a dor da família, que teve que reconhecer o corpo duas vezes.
Publicidade
Em nota, a Beneficência Portuguesa de Santos afirmou que “abrirá sindicância para apurar a responsabilidade na troca de informação aos familiares” e informou que a “informação sobre as saídas dos caixões foi invertida”. Por fim, lamentou a dor dos familiares e o transtorno causado. O caso foi registrado no 5º Distrito Policial de Santos e está sob investigação da Polícia Civil.