Ex-coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol - Fernando Frazão / Agência Brasil
Ex-coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan DallagnolFernando Frazão / Agência Brasil
Por iG
Brasília - Senadores do PT acionaram o TCU (Tribunal de Contas da União) nesta segunda-feira (8) para pedir investigação sobre gastos com diárias de hotéis e passagens de avião da força-tarefa de procuradores da operação Lava Jato em Curitiba.

A bancada, liderada pelo senador Paulo Rocha (PT-PA), quer providências do Tribunal de Contas da União junto ao Ministério Público Federal (MPF).

Segundo reportagem do Poder 360 publicada em 5 de fevereiro, a força-tarefa da Lava Jato gastou R$ 7,5 milhões em 5.864 diárias e passagens ao longo dos 7 anos que durou. Durante o período, um dos procuradores recebeu R$ 3,8 milhões. Os dados foram obtidos por meio da LAI (Lei de Acesso à Informação).

“Os 5 procuradores que ganharam essa bolada se beneficiaram de uma decisão que dificilmente se vê na iniciativa privada. Eram requisitados de outras cidades para trabalhar na Lava Jato. Muitos nunca se mudaram para Curitiba”, diz o pedido do PT.

Na representação, o senador disse que houve “possível ocorrência” de “atos antieconômicos” pelos membros da operação, e pediu que sejam tomadas providências em relação a esses pagamentos.

A Lava Jato de Curitiba "deixou de existir" na segunda-feira (1), segundo o MPF. Ela foi incorporada ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).