Unidade de Saúde Básica do Indaiá, onde o idoso recebeu a vacina
Unidade de Saúde Básica do Indaiá, onde o idoso recebeu a vacinaReprodução
Por O Dia
Rio - Aos 93 anos, o aposentado João Raimundo de Sousa, de 93 anos, recebeu duas doses de fabricantes diferentes da vacina anticovid, o que não é recomendado ou permitido. Morador de Bertioga, cidade do litoral de são paulo, João deve receber uma terceira dose do imunizante nesta segunda-feira. O caso está sendo monitorado pela Secretaria de Saúde local, que informou que o idoso não apresentou nenhum efeito colateral até o momento. As informações são do UOL. 
A primeira vacina que o idoso recebeu foi a CoronaVac, fabricada pelo Instituto Butantan, no dia 10 de fevereiro. Um mês depois, no dia 3 de março, João Raimundo procurou novamente a Unidade Básica de Saúde (UBS), para tomar a segunda dose do imunizante, mas acabou recebendo uma dose da vacina da Astrazeneca. 
Publicidade
Após notar o engano, a equipe de vacinação foi até a casa do aposentado para informar sobre o acontecido a família. A secretaria afirmou que houve falha humana na aplicação da dose, mas reforçou que o caso de João Raimundo é isolado. Agora, o idoso está sendo monitorado pelo órgão e informou que vai aplicar uma terceira dose, dessa vez da CoronaVac e que esse é o procedimento recomendado pelo Grupo de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo. 
"Houve um equívoco por parte da equipe da unidade de saúde em que, ao invés de aplicar a segunda dose da CoronaVac, aplicou a dose da AstraZeneca. Salientamos que esse caso, ocorrido no município de Bertioga, foi um caso isolado", explicou a secretária de Saúde de Bertioga, Andressa Junqueira.