Ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello
Ex-ministro da Saúde, Eduardo PazuelloFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Por IG - Último Segundo
Rio - O general Eduardo Pazuello, que deixou a Saúde, acusou políticos interessados nas verbas do ministério como responsáveis pela sua saída, em discurso de despedida feito para os servidores da pasta nesta quarta-feira. As informações são da VEJA.
Ao lado do médico Marcelo Queiroga, que será o 4º ministro durante a pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2), declarou que políticos interessados “no pixulé” atuaram para que ele fosse forçado a deixar o cargo:
Publicidade
“Eu reuni toda minha equipe no dia 23 de fevereiro: fiz um quadrinho e mostrei todas as ações orquestradas contra o ministério. Eram 8. Falei que não tinha como nós chegarmos até o dia 20 de março. Marcelo foi consultado já no início de fevereiro”, declarou.
Pazuello também declarou que o ministério da Saúde “é o foco”, devido à verba destinada à pasta: “É o foco, o aval das pressões políticas. Por quê? Por causa do dinheiro que é destinado aqui de forma discricionária. A operação da grana com fins políticos acontece aqui. Acabamos com 100% Claro que não: 100% nem Jesus Cristo. Nós acabamos com muito”, afirmou o ex-ministro, revelando que ao final do ano passado houve “uma carreata de gente pedindo dinheiro politicamente”, que, segundo ele, colaborou com sua saída.
Publicidade
De saída no pior momento da pandemia, com o Brasil alcançando 300 mil mortes em decorrência da Covid-19 na semana em que foi oficialmente exonerado, Pazuello admitiu surpresa com avanço da pandemia no país em 2021: “A perspectiva nossa no final do ano era outra. O cenário mais provável não aconteceu”.
O militar revelou ainda que não queria assumir o cargo em maio do ano passado, mas pressionado por Bolsonaro, que o convocou “para uma missão”, aceitou:
Publicidade
“É claro que eu não queria vir. Quem é que já me ouviu dizer isso mil vezes? Eu estava comandando uma região militar que tinha quatro estados: Amazonas, Rondônia, Roraima e Acre. E estaca na preparação para fazer o combate à Covid”, relembrou.
Eduardo Pazuello revelou ainda descontentamento pelo fato da falta de informação, que os ‘corredores’ do ministério estavam vazios: “Chegamos aqui, não tinha nada nem ninguém para nos dizer nada. Andávamos nos corredores e não havia ninguém”.