Matéria Salva!

Agora você pode ler esta notícia off-line

Matéria removida da seção links salvos
Publicidade

Partido do presidente da Câmara dos Deputados cobra mais espaço na equipe de Bolsonaro

A bancada do partido de Lira não se sente contemplada com a nomeação de Flávia Arruda (PL-DF) para a Secretaria de Governo

0,7.74-1.523,10.61-4.394l150.063-150.061L406.06,507.606c4.29,4.29,10.742,5.573,16.347,3.252c5.605-2.322,9.26-7.791,9.26-13.858V15C431.667,6.716,424.951,0,416.667,0z M256.002,321.332c-3.978,0-7.793,1.58-10.606,4.394L110.333,460.787V30h291.333v430.785L266.609,325.726C263.796,322.912,259.981,321.332,256.002,321.332z"/>
  • Publicidade

    Partido do presidente da Câmara dos Deputados cobra mais espaço na equipe de Bolsonaro

    A bancada do partido de Lira não se sente contemplada com a nomeação de Flávia Arruda (PL-DF) para a Secretaria de Governo

    aro e a segunda passou por um processo de "fritura", deflagrado nas redes sociais pela base bolsonarista.
    Outra demanda não atendida foi a recriação do Ministério do Esporte, que desde o governo de Michel Temer (MDB), em 2016, virou secretaria. A estrutura do Esporte está hoje vinculada ao Ministério da Cidadania, que é comandado por João Roma. Deputado licenciado, Roma é filiado ao Republicanos, partido que também integra o Centrão.
    Publicidade
    Em janeiro, Bolsonaro chegou a mencionar, durante cerimônia no Palácio do Planalto, que poderia recriar os ministérios do Esporte, da Cultura e da Pesca. O recado foi interpretado por aliados do governo como um sinal de que o presidente agiria assim em troca do apoio dos partidos à candidatura de Lira na Câmara e de Rodrigo Pacheco (DEM-MG) no Senado.
    Embora Lira e Pacheco tenham sido eleitos, em fevereiro, o discurso de Bolsonaro não saiu do papel. Para o Ministério do Esporte, a bancada do Progressistas planejava indicar a deputada Celina Leão (DF), que já ocupou a secretaria dessa área no governo do Distrito Federal. Celina foi uma das organizadoras da festa de comemoração de Lira quando ele venceu a disputa para a presidência da Câmara.
    Publicidade
    Líder do governo na Câmara, o deputado Ricardo Barros (Progressistas-PR), nega que haja mal-estar da bancada com a ascensão do PL, do Republicanos e do PSD no Planalto. "Estamos muito felizes com isso", afirmou o deputado, sob o argumento de que Bolsonaro consolidou o chamado "presidencialismo de coalizão". Além de Flávia (PL-DF) na Secretaria de Governo e de Roma (Republicanos-BA) em Cidadania, o deputado licenciado Fábio Faria (PSD-RN) está desde junho do ano passado no comando do Ministério das Comunicações.
    "Não tem ciumeira entre partidos da base e nem essa intriga. Temos o presidente da Câmara, que é do Progressistas; o líder do governo, também. O líder do governo no Senado é do MDB; a ministra da Secretaria de Governo é do PL; o Fábio Faria é do PSD; o Roma é do Republicanos. Qual é o problema?", questionou Barros. Procurados, Lira e o presidente nacional do Progressistas, senador Ciro Nogueira (PI), não se manifestaram.
    Você pode gostar
    Comentários

    Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor.

    mais notícias