Bolsonaro teria cometido advocacia-administrativa e corrupção ativa em conversa com Kajuru, dizem parlamentares
Bolsonaro teria cometido advocacia-administrativa e corrupção ativa em conversa com Kajuru, dizem parlamentaresO antagonista/Reprodução
Por ESTADÃO CONTEÚDO
O presidente Jair Bolsonaro em um discurso rápido, afirmou que as Forças Armadas, conforme determina a Constituição, não medirão esforços para garantir a liberdade do povo brasileiro. Durante a solenidade de troca na chefia do Comando Militar do Sudeste (CMSE), em São Paulo, nesta quinta-feira (15), Bolsonaro abriu mão de usar expressões como "meu exército" e disse que as Forças Armadas pertencem ao povo. "O povo brasileiro pode continuar contando com o seu Exército."
"A nossa nação tem uma vocação, a liberdade acima de tudo, e a certeza desse povo maravilhoso - de mais de 210 milhões de pessoas - que as suas Forças Armadas sempre, dentro das quatro linhas da Constituição, não medirão esforços para garantir o oxigênio da vida, que é a nossa liberdade", disse o mandatário.
Publicidade
No discurso, Bolsonaro agradeceu, em especial, o general Tomás Miguel Miné Ribeiro Paiva, que substitui o general Eduardo Antonio Fernandes no CMSE, e o empresário Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), aliado político e opositor do governador João Doria (PSDB). "Um homem que colaborou desde o início para que o nosso colégio militar cada vez mais se transformasse numa realidade", afirmou Bolsonaro sobre o empresário.