Robson Oliveira desembarcou no Rio nesta quarta-feira após dois anos de detenção na Rússia
Robson Oliveira desembarcou no Rio nesta quarta-feira após dois anos de detenção na RússiaReprodução
Por Larissa Soares*
O presidente do moto clube, Prisioneiros da liberdade, identificado apenas como Marcelo, de São João de Meriti, confirmou que um comboio está sendo organizado para receber o motorista Robson Oliveira em seu retorno ao Brasil. Após mais de dois anos em detenção na Rússia, Robson deve chegar no Brasil nesta quarta-feira às 19h30.
Marcelo afirmou que a organização fez o caso de Robson ser notado quando fizeram uma motociata em frente ao consulado da Rússia. "Estamos indo buscar o nosso irmão, nosso vice-presidente, depois de tudo isso que aconteceu", disse.
Publicidade
O presidente do moto clube ainda ressaltou sua revolta com o caso e disse que dará apoio a Robson para acionar o ex-patrão na justiça. "Não é justo um cara ficar preso dois anos e dois meses após ter sido usado por outra pessoa", concluiu.  
Dois anos de prisão
Publicidade
Robson Oliveira foi preso em março de 2019 ao desembarcar na Rússia. Ele trazia na bagagem uma encomenda para o novo patrão: caixas do medicamento Mytedon - cloridrato de metadona. O remédio é legalizado no Brasil, mas proibido na Rússia. O medicamento seria para o uso do sogro de Fernando, William Pereira de Faria, mas Fernando e seus familiares nunca confirmaram a informação. Após uma série de críticas e muita negociação, a defesa do motorista passou a ser paga pela família do jogador Fernando, e o contrato se mantém até o momento.
A liberação do brasileiro dependia apenas da assinatura do presidente Vladimir Putin. Após meses de negociação, o trâmite foi submetido a uma comissão regional e pelo prefeito de Moscou antes de chegar às mãos de Putin.
Publicidade
"Depois de uma longa negociação, o governo russo anunciou a liberdade do Robson, que trabalhava para o jogador Fernando para o Spartak Moscou. Quero agradecer ao governo russo pela liberação de Robson, que entrou no país com um medicamento que é permitido no Brasil", declarou o presidente Bolsonaro.
*Estagiária sob supervisão de Marina Cardoso
Publicidade