Por marta.valim

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC), reduziram as projeções para o crescimento da economia em 2014, de 1,65% na semana passada, para 1,63% nesta semana. A estimativa para 2015, também caiu de 2% para 1,91%. A projeção para a inflação medida pelo IPCA foi mantida em 6,5% para este ano e 6% para o próximo.

Em relação à Selic, o mercado espera uma taxa de 11,25% no fim de 2014 e 12,25% no encerramento de 2015.

A estimativa para a expansão da produção industrial caiu de 1,40% para 1,21%, este ano, e segue em 2,65%, em 2015.

A previsão para o superávit comercial (saldo positivo de exportações menos importações) caiu de US$ 3,02 bilhões para US$ 3 bilhões, em 2014, e segue em US$ 10 bilhões, no próximo ano.

A estimativa para o saldo negativo em transações correntes (registros de compra e venda de mercadorias e serviços do Brasil com o exterior) foi ajustada de US$ 77,1 bilhões para US$ 78,6 bilhões, este ano, e permanece em US$ 75,6 bilhões, em 2015.

A projeção para a cotação do dólar segue em R$ 2,45, no final de 2014, e foi ajustada de R$ 2,50 para R$ 2,51, no fim do próximo ano. A expectativa das instituições financeiras para o investimento estrangeiro direto (recursos que vão para o setor produtivo do país) segue em US$ 60 bilhões neste ano e em US$ 55 bilhões, em 2015.

A projeção das instituições financeiras para a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB foi alterada de 34,85% para 34,80% neste ano, e permanece em 35%, em 2015.

Você pode gostar