Por monica.lima

Sem sinais claros sobre reajustes nos preços dos combustíveis, a Petrobras tenta equacionar sua situação financeira com uma fórmula que inclui crescimento das exportações de petróleo e da oferta interna de gasolina, diesel e gás natural, para reduzir a necessidade de importações. A venda de combustíveis abaixo do preço internacional é a principal causa da delicada situação financeira da companhia, que teve uma queima de caixa de R$ 13,4 bilhões no primeiro semestre de 2014, e vem encontrando dificuldades para melhorar seus indicadores de endividamento. Segunda-feira, no primeiro dia útil após a divulgação do balanço, as ações preferenciais da companhia subiram 4,30% na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

“Ninguém gostou do resultado, mas, inexplicavelmente, as ações estão subindo”, comentou o analista-chefe da SLW Corretora, Pedro Galdi. O mercado apostava na proximidade de aumentos de preços, após declarações da presidenta Dilma Rousseff sobre o tema no domingo. Em entrevista concedida após conferência com analistas, o diretor financeiro da estatal, Almir Barbassa, voltou a dizer que a companhia continua buscando reajustes, mas evitou fazer previsões — a decisão depende do Conselho de Administração, controlado pelo governo. “Estamos trabalhando com o crescimento (da produção)e com o alinhamento de preços”, afirmou o executivo, repetindo discurso adotado pela empresa no final do ano passado.

Enquanto o reajuste não vem, a empresa busca alternativas para melhorar sua situação financeira — no segundo trimestre de 2014, apesar da evolução nos indicadores operacionais, a alavancagem manteve a curva de alta, se distanciando ainda mais das metas estabelecidas pelo conselho. O aumento da receita via crescimento da produção é uma delas. Em outra frente, a estratégia é reduzir a compra de combustíveis importados. Com a entrada de novos equipamentos na Refinaria Alberto Pasqualini, em fase de testes, serão 12 mil barris do combustível a mais por dia. Em 4 de novembro, está previsto o início das operações da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, que deve atingir a produção de 115 mil barris por dia em janeiro.

Além disso, a companhia aproveita o crescimento da produção nacional de gás natural para produzir gasolina a partir de frações líquidas do gás, chamadas de condensado, em um processo conhecido como formulação, que pode ser feito em bases de tancagem da empresa por todo o Brasil. Segundo as projeções apresentadas ontem, a produção de gás nacional vai crescer 20% no segundo semestre, para 48 milhões de metros cúbicos por dia. “Estamos também intensificando a utilização da infraestrutura logística, para garantir aumento da oferta de gasolina”, disse o diretor de abastecimento da estatal, José Carlos Cosenza.

A reversão do fluxo negativo de caixa, que dura desde 2006, é fundamental para que a empresa melhore seus indicadores de endividamento, dizem analistas. “O resultado ruim grita em alto e bom som que a política atual para a empresa é insustentável, aumentando a pressão sobre reajuste necessário de preços”, diz Roberto Altenhofen, analista da Empiricus, em newsletter na qual destaca a queima de R$ 13,4 bilhões caixa com aumento da dívida líquida e piora da alavancagem. Barbassa frisou que a direção da estatal continua perseguindo as metas estipuladas pelo conselho, que devem ser atingidas no final de 2015. “Sem reajustes, eles vão ter que fazer milagres”, conclui Galdi.

Você pode gostar