Petrobras triplica duto que liga SP a Brasília

Segundo estatal, ampliação de capacidade de compressão vai substituir 40 mil viagens de caminhão por ano. Tubulação transporta gasolina, diesel e gás liquefeito de petróleo

Por marta.valim

A Petrobras recebeu autorização da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para a expansão da capacidade do duto que liga São Paulo a Brasília, responsável pelo abastecimento de combustíveis da região Centro-Oeste. A expectativa da empresa é que a obra seja concluída até 2016, eliminando a necessidade de 40 mil viagens de caminhão por ano entre Campinas, onde está a maior refinaria da estatal, e a capital federal. A obra tem o objetivo de acompanhar o crescimento do consumo de derivados de petróleo na região.

O Oleoduto São Paulo-Brasília (Osbra) transporta gasolina, óleo diesel e gás liquefeito de petróleo para o abastecimento do Oeste de São Paulo, do Triângulo Mineiro e de estados do Centro-Oeste, região onde o consumo de combustíveis tem crescido acima da média nacional. Segundo dados da ANP, as vendas de derivados de petróleo na região cresceram 63,2% entre 2004 e 2013, puxadas pelo aumento no consumo de gasolina (70% de alta no período). Em 2014, o mercado local continua aquecido, com vendas totais no primeiro semestre 5,9% superiores às registradas no mesmo período do ano anterior.

As restrições logísticas chegaram a causar problemas em municípios do Centro-Oeste no início da década, com falta de gasolina em alguns postos. Em 2012, o governo chegou a mobilizar os agentes do setor de petróleo para discutir medidas para garantir o abastecimento em locais distantes das refinarias (principalmente Nordeste e Centro-Oeste) — processo que culminou com o estabelecimento de estoques mínimos de combustíveis por região, em volumes suficientes para garantir o suprimento por três a cinco dias, dependendo do caso.

Com a expansão, a capacidade do Osbra saltará dos atuais 3,9 milhões para 11,1 milhões de metros cúbicos por ano. A tubulação sai da Refinaria de Paulínia e passa por terminais de armazenagem em Ribeirão Preto (SP), Uberaba (MG), Uberlândia (MG) e Senador Canedo (GO) antes de chegar a Brasília. O projeto de expansão está baseado na ampliação da capacidade de bombeamento do duto, com a instalação da quarta bomba principal de 1,6 mil HP e da quarta bomba auxiliar de 270 HP.

Além disso, serão instalados seis novos pontos de injeção de polímero redutor de atrito, para facilitar o escoamento dos produtos. Segundo a estatal, com as melhorias, a capacidade nominal de bombeamento do Osbra passará de 1.200 para 1.450 metros cúbicos por hora. Atualmente, além do Osbra, a logística de combustíveis para o Centro-Oeste usa ferrovia e o transporte rodoviário, que deve ser parcialmente substituído com a expansão da capacidade da tubulação.

Considerado uma alternativa mais barata, o transporte dutoviário de combustíveis ainda é pouco utilizado no Brasil. Segundo dados do Instituto de Logística e Supply Chain (Ilos), o modal tem uma participação de apenas 3,8% na matriz de transporte brasileira, contra uma fatia de 19% nos Estados Unidos. Em estudo de 2011, pesquisadores do instituto destacam que há apenas dois dutos de grandes distâncias para movimentar derivados de petróleo no país: o Osbra e o Oleoduto São Paulo-Santa Catarina (Opasc). O Plano Nacional de Logística de Transporte (PPNLT), não prevê crescimento relevante de participação do modal na matriz até 2031.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia