Em carta de Natal, Lula pede que militantes não temam os 'valentões'

Preso, ex-presidente disse ainda que o 'ódio pode estar na moda', em referência ao governo eleito de Jair Bolsonaro

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Luís Inácio Lula da Silva está preso desde abril
Luís Inácio Lula da Silva está preso desde abril -

Curitiba - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou uma carta de Natal, na noite desta segunda-feira, dia 24, aos militantes da "Vigília Lula Livre" e pediu que seus apoiadores sigam fortes.

"O ódio pode estar na moda, mas não temam nem se impressionem com essas pessoas posando de valentões", afirmou o petista em referência ao governo eleito de Jair Bolsonaro (PSL).

A mensagem foi lida pelo ex-prefeito de São Bernardo do Campo Luiz Marinho (PT), em frente à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), onde Lula está preso desde abril.

De acordo com o ex-presidente, o tempo "deles" (oposição) vai passar e a verdadeira mensagem de Jesus, "um marceneiro que foi perseguido pelos vendilhões do templo, pelos soldados e pelos promotores dos poderosos", vai continuar a ecoar em cada Natal: uma mensagem de amor, fraternidade e esperança.

"A luta por um mundo melhor continua", acrescentou.

Lula lembrou ainda que, neste Natal, ele não poderá estar junto de sua família, filho e netos, mas acredita que não está sozinho:

"Estou com vocês da vigília, que têm sido minha família", afirmou na carta. Ele também agradeceu a companhia dos militantes e considerou uma "provação" a escolha feita por seus apoiadores de enfrentar dias de frio e calor no Paraná.

Últimas de Política e País