Respeite o povo do axé

Membros do Movimento Negro protestam após xingamentos de presidente da Fundação Palmares

Por MARTHA IMENES

Manifestantes protestaram na porta da Fundação Palmares, em Brasília, e pediram a saída de Sérgio Camargo. O presidente da fundação nega a história dos negros no Brasil
Manifestantes protestaram na porta da Fundação Palmares, em Brasília, e pediram a saída de Sérgio Camargo. O presidente da fundação nega a história dos negros no Brasil -
A Fundação Palmares, que tem como objetivo combater o racismo e fomentar a cultura negra, está se desviando - e muito - do seu propósito. À frente da instituição está Sérgio Camargo, o primeiro presidente da entidade a defender conceitos radicalmente contrários e desconectados dos ideários da população preta. São sucessivas ofensas, não reconhecimento das religiões de matriz africana, como o candomblé, desmerecimento de suas conquistas e a não aceitação da dívida histórica que o Brasil tem com os africanos que aqui foram escravizados. Seu discurso é repleto de aberrações e mensagens de ódio. Ontem, para quebrar esse clima pesado, o Movimento Negro levou seu axé para dar "bença" ao seu opositor.

Uma das pessoas ofendidas, em áudio vazado do presidente da Fundação Palmares, foi Adna Santos, a Yalorixá Mãe Baiana de Oyá, coordenadora de Políticas de Promoção e Proteção da Diversidade Religiosa da Secretaria de Justiça do Distrito Federal. A líder religiosa foi xingada por Camargo de "filha da p.", "macumbeira" e "miserável".

Mãe Baiana esteve na manifestação e disse que o ato era de paz. "Esse ato é pacífico porque nós somos um povo de paz. É importante dizer para quem falou que nós não somos vagabundos", disse. "Somos povos e comunidades tradicionais de matriz africana, são entidades negras que estão aqui, vidas negras importam."

Os manifestantes fizeram um minuto de silêncio e soltaram 200 balões em memória de pessoas negras mortas e brasileiros vítimas da covid-19. O grupo levou cartazes com nome da vereadora assassinada Marielle Franco e do menino Miguel Otávio, de 5 anos, que morreu ao cair de um prédio de luxo no Recife, enquanto estava aos cuidados da patroa.

Camargo é denunciado por injúria
A mãe de santo Adna Santos denunciou Sérgio Camargo por injúria. Questionada sobre a expectativa de medidas da Justiça, Mãe Baiana afirma que acredita na Justiça brasileira. "Eu fiz minha parte, agora, cabe às autoridades".

Nos áudios da reunião com servidores, sob o argumento de que suas opiniões refletem 'liberdade de expressão', Camargo mais uma vez criticou Zumbi dos Palmares, que dá nome à autarquia. Os xingamentos não passaram despercebidos pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, que encaminhou ofício à Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão pedindo abertura de investigação.
O procurador federal dos Direitos do Cidadão, Carlos Alberto Vilhena, viu improbidade administrativa e racismo nas declarações de Camargo.E um trecho da representação de Deborah Duprat aponta: "Pouco importa que haja parte de negros que se sintam confortáveis com a história que foi oficialmente contada sobre eles. As comunidades totalmente homogêneas, sem fissuras e desacordos, só existem no plano ideal, das ideias. Mas não foi para essa parcela que a Palmares veio a ser criada. Ela estatutariamente existe para o resgate dos valores da influência negra no Brasil".

Comentários