Por marta.valim

BRASÍLIA - A sessão do Congresso para analisar 12 vetos presidenciais, marcada para a noite de terça-feira, foi adiada pela segunda vez consecutiva, após senadores comunicarem que não iriam comparecer à sessão. A previsão é que a votação ocorra em 30 dias. O primeiro veto a ser analisado seria ao projeto que cria mais municípios.

O projeto foi vetado totalmente pela presidenta Dilma Rousseff. O governo argumentou que a iniciativa aumentaria as despesas públicas, com a possibilidade de criação de quase 400 municípios a partir das novas regras. Para derrubar o veto presidencial, é preciso o voto da maioria absoluta das duas Casas, sendo 257 deputados e 51 senadores.

Os senadores devem negociar um texto substitutivo para o projeto, juntando os melhores pontos do texto original e do defendido pelo governo. "Não vamos apreciar os vetos hoje, vamos adiar a sessão para daqui 30 dias e neste intervalo construir um acordo", disse o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), autor da proposta, no início da tarde.

Em fevereiro, na primeira sessão conjunta do Congresso, os parlamentares não conseguiram chegar a um acordo sobre os vetos. Pouco antes da abertura da sessão, houve tumulto quando manifestantes queriam acompanhar a sessão das galerias do plenário e foram barrados pela Polícia Legislativa. Com receio de que o veto fosse mantido, devido ao pequeno número de senadores presentes na sessão, os parlamentares decidiram adiar a votação.

Você pode gostar