País não pode desperdiçar espírito empreendedor dos jovens, diz Marina

A candidata negou, mais uma vez, que a questão do casamento igualitário fizesse parte do seu plano de governo original

Por bruno.dutra

São Paulo - A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, disse nesta segunda-feira que o Brasil não pode desperdiçar o espírito empreendedor dos jovens. Ela destacou os últimos resultados do desempenho da economia do país e ressaltou que a situação está prejudicando o desenvolvimento profissional da juventude.

“A ideia de ter saúde e educação de qualidade, desenvolvimento econômico, tudo isso dialoga com uma questão fundamental, que é o fato de nossos jovens estarem cada vez mais aguçando em si o espírito empreendedor. Mas esse empreendedorismo, que é caracterizado pelo esforço, pela busca da formação, inclusive da formação profissional, está sendo comprometido em função das dificuldades econômicas que o nosso país está encontrando”, afirmou a candidata.

Marina disse que tem apresentado medidas de apoio ao empreendedorismo dos jovens, mas não as detalhou. “Temos feito um esforço muito grande de contribuir com esse debate, procurando medidas que possam fazer com que o Brasil não perca as conquistas que, a duras penas, alcançou e, ao mesmo tempo, venham a comprometer o futuro, principalmente, da nossa juventude empreendedora”. Marina falou com a imprensa em frente a sua residência na capital paulista, no bairro de Moema.

A candidata voltou a falar sobre a retirada de seu programa de governo do trecho que propunha apoio ao casamento de pessoas do mesmo sexo. Segundo ela, houve um “erro de processo”, e o que foi publicado originalmente no plano de governo não havia sido o acordado entre os participantes do processo de elaboração do documento.

“A minha posição sobre o tema é a posição que nós discutimos e debatemos dentro do processo de elaboração do programa, a posição que eu já vinha defendendo desde 2010: a afirmação da defesa do estado laico, como uma conquista de todos os brasileiros e da nossa Constituição, a defesa dos direitos civis de todos os brasileiros”.

Marina ressaltou que é a favor da união civil entre pessoas do mesmo sexo, mas não deixou claro se defende o casamento entre elas. “O casamento é estabelecido entre pessoas de sexos diferente. É isso que está assegurado na Constituição, na legislação brasileira. Mas os direitos são iguais. O que eu tenho defendido são os direitos civis e a união civil entre pessoas do mesmo sexo.”

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia