Pau que dá em Chico

Este ano, com a disputa mais renhida, a troca de chumbo promete ser violenta. Faz parte da tradição. Se há eleição pela frente, é hora de abrir o baú de acusações contra os adversários

Por douglas.nunes

A sucessão presidencial começou para valer e trouxe junto uma nova temporada de denúncias. Já faz parte da tradição. Se há eleição pela frente, é hora de abrir o baú de acusações contra os adversários. Para os repórteres investigativos, é um período de colheita generosa. Documentos e gravações chegam à mão dos jornalistas nas redações e eles, com base nas informações recebidas, dão início à apuração minuciosa dos fatos. Assim que as reportagens são publicadas, o candidato alvo das denúncias fica acuado e procura se defender da melhor maneira possível, enquanto seus opositores entram em campo para tirar o máximo proveito das revelações. Às vezes, as denúncias caem no vazio e seus autores se desmoralizam. Mas, de forma geral, encontram repercussão na própria mídia, que trata de alimentá-las até a exaustão. E assim caminha a campanha eleitoral.

Este ano, com a disputa mais renhida, a troca de chumbo promete ser violenta. Começou com reportagem da “Folha de S.Paulo” sobre o aeroporto construído nas terras de um tio de Aécio Neves, na cidade de Cláudio, em Minas. O projeto foi financiado pelo cofres públicos ao tempo em que Aécio governava o Estado. O candidato do PSDB à Presidência rebateu a acusação de favorecimento, garantiu que tudo foi feito conforme a lei e tentou enterrar o assunto. Mas o PT tratou de pôr lenha na fogueira e pediu providências ao Ministério Público. Já o PSDB recebeu com um manjar dos céus a reportagem de “VEJA”, que acusa de farsa os depoimentos de ex-dirigentes da Petrobras na CPI do Senado sobre a compra da refinaria de Pasadena. Um gabarito das perguntas teria sido discutido previamente com os interessados, graças à intermediação de gente do governo. A acusação incomoda, mas a presidente Dilma Rousseff se desvencilhou, explicando que esse é um problema do Congresso, e não do Executivo.

Pela reação dos candidatos, tudo indica que as informações da imprensa têm fundamento, tanto em relação ao aeroporto privado de Cláudio, quanto à combinação entre amigos no caso da CPI da Petrobras. É munição farta para o arsenal do PT e do PSDB. Mas pau que dá em Chico dá em Francisco. E isso leva obrigatoriamente a uma indagação: até que ponto os eleitores ainda se sensibilizam com o tiroteio entre os candidatos? Em última análise, por que as acusações, fundamentadas que sejam, só vêm à tona quando começa a corrida eleitoral? Os eleitores têm motivo para desconfiar dessa coincidência. Se os desvios eram tão graves deveriam ser de conhecimento público há muito tempo. O oportunismo das denúncias chega a ser ostensivo. É meio na base do que colar, colou.

Entretanto, ao que se percebe nas ruas e nos ambientes de trabalho, os eleitores parecem cansados da tradicional troca de chumbo entre os partidos. É um jogo de carta marcada, que já não emociona. O que a sociedade deseja dos candidatos é resposta para os grandes problemas do país. Houve muitos avanços nos últimos anos, mas ainda há desafios a serem enfrentados. O que fazer, por exemplo, para melhorar a saúde pública e alcançar uma educação de qualidade? Como realizar a reforma tributária? Como tirar do papel a reforma política? Qual é a receita para recuperar o fôlego da indústria? É possível crescer a taxas maiores, sem alimentar a inflação? Diante dessas questões maiores, as denúncias políticas de ocasião perdem importância. São como fogo de palha.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia