Apenas coxinhas x petistas?

Acuado, o PT faz pouco dos protestos e atribui as reações a uma minoria privilegiada. Mas a própria presidente Dilma admite que há motivo para a irritação

Por diana.dantas

Quando saí de casa na manhã de quinta-feira, recebi uma recomendação de minha filha caçula: “Pai, não escreva nada sobre essas manifestações marcadas para o domingo. É coisa de coxinha, gente de direita, a favor de um golpe contra a Dilma”. Acatei o conselho com um sorriso, mas argumentei que seria muito difícil evitar o tema. Veio, então, nova advertência: “Veja lá o que você vai escrever”. Quanto ao primeiro pedido, é impossível atendê-lo. Não há como ignorar a preocupação em torno do que pode acontecer neste domingo, principalmente em São Paulo. Só se fala nisso. Há muita tensão no ar e é quase certo que haverá milhares de pessoas no entorno da Avenida Paulista. Outra questão, que merece cautela, é como escrever a respeito sem se deixar contaminar pelo clima de confronto entre os grupos que convocam os atos públicos e os militantes petistas, que não aceitam protestos contra o governo.

Até mesmo no meio acadêmico, cientistas políticos de renome preferem não falar sobre o tema antes de ver a real dimensão do evento. Não querem correr o risco de embarcar em avaliações apressadas. Qual São Tomé, querem ver para crer. Nas redações do Rio, a impressão generalizada é que a mobilização na cidade tem sido muito limitada. Dificilmente acontecerá algo de maior porte. Acredita-se que os atos convocados para Copacabana e Ipanema vão atrair poucos adeptos, contados às centenas e olhe lá. Por aqui, não se vê clima para qualquer coisa mais expressiva. Isso não significa que os eleitores cariocas estejam felizes com os rumos da economia e da política. Estão desconfiados e descontentes, mas não jogam toda a responsabilidade nas costas da presidente da República. Não fazem julgamento tão severo quanto os paulistas.

Em São Paulo, porém, parece que o bicho vai pegar. A mobilização vai muito além dos “coxinhas” que, no ano passado, vaiaram Dilma Rousseff na Arena Corinthians. Disseminou-se pela maior cidade do país um sentimento de forte antipetismo, que chega às raias do ódio. Durante a campanha eleitoral, dirigentes do PT já tinham identificado esta tendência. Alguns deles foram alvo de agressões verbais em shoppings centers e restaurantes. Depois, com o acirramento do confronto entre Aécio Neves e Dilma Rousseff, o ambiente piorou e se tornou ainda mais hostil. Eis uma explicação possível para a forte rejeição que o PT e Dilma sofrem: quem está pagando a fatura da crise econômica é a indústria nacional, que se concentra exatamente às margens do rio Tietê e na região do ABC.

Desaquecimento e recessão significam ameaça de desemprego e queda no padrão de consumo. Enfim, um tempo ruim que ronda não só “a alta burguesia”, mas também as famílias de classe média e os trabalhadores de São Paulo. É natural, portanto, que se concentre ali o foco de maior insatisfação com as dificuldades que o país atravessa. Acuado, o PT faz pouco das críticas e atribui as reações a uma minoria privilegiada. Mas a própria presidente Dilma admite que há motivo para a irritação. Ao contrário do PT, que considera os protestos antessala do golpismo, Dilma voltou a afirmar na quinta-feira que “manifestação no Brasil tem de se olhar com absoluta naturalidade”. Desde que não se transforme em violência. A presidente também lembrou que pertence a uma época na qual quem se manifestava ia preso.

Em suma, as manifestações não representam ameaça ao governo Dilma. Fazem parte da democracia.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia