Dr. Adriano do DEM, Prefeito de Cabo Frio na Câmara dos Vereadores - Imagem de internet
Dr. Adriano do DEM, Prefeito de Cabo Frio na Câmara dos VereadoresImagem de internet
Por Juarez Volotão
Cabo Frio - A polêmica acerca das demissões e recentes contratações de funcionários públicos comissionados na Prefeitura Municipal realizadas pelo Prefeito de Cabo Frio, Dr. Adriano do DEM, em período eleitoral avança - além da investigação no Ministério Público como noticiamos aqui em O Dia - https://odia.ig.com.br/cabo-frio/2020/09/5992025-prefeito-de-cabo-frio-sera-investigado-pelo-mp-rj-por-suposto-uso-politico-eleitoral-nas-demissoes-e-contratacoes-de-comissionados.html#foto=1 - e chega na Câmara dos Vereadores da cidade, onde nesta semana foi designado os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai apurar as exonerações e nomeações no funcionalismo público na véspera das eleições, investigando o suposto uso político eleitoral da Prefeitura e ainda as tentativas de implantação de organizações sociais na administração municipal. 
Câmara dos Vereadores aprova CPI contra o Prefeito de Cabo Frio, Dr. Adriano do DEM, acerca das recentes demissões e contratações em véspera de eleição - Folha dos Lagos
Publicidade
Segundo o regimento interno da Câmara dos Vereadores de Cabo Frio a comissão responsável pela CPI seguirá a proporção partidária das bancadas na casa. Os vereadores Vaguinho Simão do Republicanos, autor do pedido da CPI, Vinícius Corrêa do PP, Edilan do celular do MDB, Vanderlei Bento, atualmente sem partido, Oseias de Tamoios do PDT, Rodolfo Machado do Solidariedade e Guilherme Aarão do PRTB foram os nomeados a integrarem a Comissão. 
Procurada e questionada sobre a instauração da CPI na Câmara Municipal da cidade, a Prefeitura Municipal de Cabo Frio não respondeu ao O Dia. 
Publicidade
O presidente, o vice e o relator da CPI serão definidos em reunião ainda sem data para acontecer. O prazo para apresentação do relatório da comissão parlamentar de inquérito é de 90 dias, podendo ser prorrogado pelo mesmo período. Lembrando que o caso também está sendo investigado pela 96ª Promotoria Eleitoral do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ).