Prefeitura de Campos quer retomada das aulas apenas no ano que vem

Números da pandemia de coronavírus no município indicam alto risco no caso de reabertura dos portões escolares

Por O Dia

A Secretaria de Educação de Campos estipulou que as escolas só serão reabertas quando a cidade entrar na fase branca (quase normalidade) do plano de retomada da economia
A Secretaria de Educação de Campos estipulou que as escolas só serão reabertas quando a cidade entrar na fase branca (quase normalidade) do plano de retomada da economia -
Campos — A prefeitura de Campos encaminhou ao Conselho Municipal de Educação proposta para que o ano letivo de 2020 da rede municipal seja retomado apenas no ano que vem, reforçando a indicação de que o município não está preparado para liberar que crianças e adolescentes voltem às salas de aula neste momento, mesmo na rede particular. A proposta só entra em vigor depois de votação do órgão, marcada para a próxima quarta.
Com o número de casos diários de coronavírus em ascensão, a prefeitura tenta se equilibrar entre as demandas dos setores produtivos da economia — entre eles o ensino privado — e a necessidade de controlar a curva de contágio da pandemia. Quase todas as atividades já retomaram seu funcionamento, ainda que com restrições, mas a reabertura dos portões das escolas é algo mais complexo.
“Os indicadores demonstram que o cenário ainda não é o ideal”, afirma Andreya Moreira, diretora da Vigilância em Saúde de Campos.
A decisão foi tomada depois de reunião entre Andreya, Cintia Ferrini, secretária de Saúde, e Luciana Eccard, secretária de Educação, Cultura e Esporte do município. Também do encontro saiu um ofício a ser enviado à Secretaria Estadual de Educação solicitando que as aulas na rede estadual também não sejam retomadas, na contramão da liberação promovida pelo governador Wilson Witzel, afastado do cargo nesta sexta.
“A prefeitura tem gerência sobre a rede municipal de educação e sobre a Educação Infantil oferecida pela rede privada e essas continuarão com aulas presenciais suspensas”, diz Luciana. “A autorização para o funcionamento da rede estadual e demais segmentos do ensino privado compete ao Estado. Por esse motivo, enviaremos o ofício com dados que apontam que ainda não é seguro o retorno das aulas presenciais para a população”.
Rafael Damasceno, subsecretário pedagógico da Secretaria municipal de Educação, garante que o conteúdo do Ensino Fundamental vai ser cumprido dentro do calendário de 2021, sem prejuízo para os estudantes, com a adoção de ciclos a serem realizados paralelamente ao conteúdo do ano seguinte.
“Os ciclos, além de impedirem a retenção dos alunos, permitem uma metodologia de avaliação diagnóstica, mais adequada ao período que estamos vivendo”, argumenta Damasceno. “Todo o desenho da proposta foi pensado pra mitigar os impactos da pandemia no trabalho de professores, pedagogos e na aprendizagem dos nossos alunos. Sabemos que os prejuízos da pandemia no processo escolar não se resolvem em 2021, são longitudinais, mas a organização do calendário representa passo fundamental para o planejamento das próximas ações”.

Comentários