Governos de transição já mandam nos estados em que a oposição venceu

Em Brasília, o Palácio do Planalto transformou-se num silêncio da solidão de quem por ali passa, como Eliseu Padilha, que já perdeu o poder, com o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, mandando no atual e futuro Congresso Nacional

Por Leandro Mazzini

Brasília - Os governos de transição já estão mandando nos estados em que a oposição venceu e no governo federal. No Rio, São Paulo, Minas Gerais, em especial, secretários de estado das atuais gestões se revezam nos gabinetes de transição fora dos palácios, sem conforto, às vezes em fila de espera, para conversar com Wilson Witzel, João Doria e Romeu Zema, respectivamente.

As gestões estão praticamente paralisadas. Em Brasília, o Palácio do Planalto transformou-se num silêncio da solidão de quem por ali passa, como Eliseu Padilha, que já perdeu o poder, com o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, mandando no atual e futuro Congresso Nacional.

Na moita

É questão de tempo. Essa fase da Lava Jato ontem em vários estados sobre superfaturamento da sede da Petrobras na Bahia cerca para valer José Sérgio Gabrielli.

Nova regra

A frota de jatos da FAB que transporta autoridades ficará mais para transporte de órgãos a partir de 2019. A ordem no governo Bolsonaro é avião de carreira para ministros.

Desespero Air

Veja o desespero do grupo de Valdemar da Costa Neto, o 'dono' do PR, que manda desde o governo Lula no Ministério dos Transportes e na Infraero. Como Valdemar levou um 'fora' de Bolsonaro numa reunião em que sugeriu aliança, e vai perder toda a bocada de cargos - com pastas com orçamentos bilionários - sua trupe começou a se aproximar, devagar, de militares.

Sem chances

'Transportes' vai integrar o super Ministério da Infraestrutura - que também deve abranger a Infraero - e vai ficar na mão de sérios militares que sabem fazer obras e tocar uma gestão sem apadrinhamentos políticos. Assim espera Bolsonaro. Mas o presidente da Infraero, Antonio Claret, apadrinhado de Valdemar, começou a taxiar perto de militares na esperança de ficar no futuro Governo.

Regalias

As mordomias das pastas também vão acabar. Claret, por exemplo, mora em Belo Horizonte e faz ponte aérea com Brasília. Tem carro com motorista, secretárias, hospedagem em hotel de luxo e tudo o mais que o atual cargo pode oferecer.

Nome do PCdoB

Reeleito para o governo do Maranhão e indicado pelo PCdoB para ser o candidato do à presidência em 2022, Flávio Dino (que renunciou ao cargo de juiz há anos, quando concorreu, pela primeira vez, a deputado federal), passará o sábado no Rio de Janeiro.

Em campanha

Dino quer pavimentar sua candidatura ao Planalto desde já e deve rodar o país. Ontem, tinha programada palestra, aberta ao público, organizada por estudantes e professores, numa livraria no Centro do Rio. O tema? "O que fazer com o governo Bolsonaro".

Boas vinda$

O governo federal quer dar um alívio para os imigrantes endinheirados - sejam da Venezuela, a massa atual, ou de outros países. Quem investir em imóvel no Brasil terá autorização para residência permanente. É a Resolução nº 36 do Ministério do Trabalho.

Perfil latino

Fato é que, nessa onda de debandada venezuelana, os milionários estão indo para o Caribe e Miami; os ricos vêm para Brasil - onde compram imóveis em Manaus, Rio e cidades do Sul - ou para Argentina e Chile. E os pobres ficam em Pacaraima..

Esplanada cultural

A ex primeira-dama da França, Carla Bruni, gravou, há dois dias, em Paris, a convite do produtor Celso Fonseca, uma participação especial no CD 'Mart'nália canta Vinicius de Moraes', que a cantora filha de Martinho da Vila lançará brevemente. A música escolhida pela intérprete e ex-modelo francesa foi Insensatez.

Esplanada

Claudio Castro, diretor executivo da Sérgio Castro Imóveis, comprou participação majoritária no Portal online Diário do Rio.

Comentários