Justiça manda governo do Rio indenizar Refit

Em 2012, por iniciativa do governador Sérgio Cabral, Governo tentou desapropriação da refinaria, mas empresa sempre teve documento regular

Por Leandro Mazzini

O que seria uma jogada política suspeita e até hoje mal explicada do então governador Sérgio Cabral, do Rio de Janeiro - agora condenado por variados crimes de corrupção -, resultou nesta terça-feira, sete anos depois, na primeira consequência do desastre de uma ação contra a Refit - antiga refinaria de Manguinhos.

A ordem em primeira instância, da 2ª Vara de Fazenda Pública, comandada pelo juiz Sergio Roberto Emilio Louzada, sentencia o Governo do Estado a indenizar a Refit pela tentativa de desapropriação da área de 600 mil m² no subúrbio do Rio de Janeiro. A decisão política suspendeu por dois anos as atividades da maior refinaria privada do País, causando prejuízos milionários ao grupo e a funcionários.

O valor da indenização ainda será definido por perito judicial escolhido no processo. Cabe recurso da decisão.

 

Memória

A novela cabralística começou há sete anos. O governador, numa canetada e mesmo com o aval da Procuradoria do Governo, ciente da documentação regular da Refinaria, decretou a desapropriação do terreno com a promessa de construir um conjunto habitacional na área. Lançou mão do discurso de dívidas da empresa com o ICMS - hoje renegociadas. Mas o Supremo Tribunal Federal freou a decisão política, e reconheceu que a empresa mantinha documento de domínio útil do terreno cedido pelaUnião - que, por sua vez, não fora consultada sobre a desapropriação.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários