Perlla
PerllaReprodução de internet
Por O Dia
A confusão envolvendo a empresária Cristina Con e a cantora Perlla, que se arrasta desde março, ganhou mais um capítulo. No último dia 23, saiu uma decisão com relação ao boletim de ocorrência por injúria e ameaças que Cristina fez na DEAM de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, no final de agosto. A Justiça, atendendo ao pedido do Ministério Público, determinou a intimação da vítima para que ela se manifeste sobre a intenção em prestar ou não a queixa criminal contra a artista.
Em conversa com a coluna, Cristina Con revelou que ainda vai analisar bem a situação e conversar melhor com os familiares, mas a tendência é que ela dê prosseguimento ao processo. A empresária contou que as ameaças por parte da cantora pararam mas, agora, são os fãs clubes de Perlla, que a atormentam. "Eles ficam denunciando as minhas redes sociais para eu perder os perfis e não poder trabalhar. Por esse motivo, eu penso sim em processá-la", explica Con.
Publicidade
Cristina lembra que a confusão começou quando ela resolveu tornar público um suposto prejuízo no valor de R$ 15 mil. A empresária alega que levou um calote, já que a cantora pediu a captação de parcerias para a realização de uma reforma de sua casa, em março, mas a dona do hit 'Tremendo Vacilão' não pagou. A quantia combinada era de R$ 3 mil por mês de trabalho e fora a promessa das postagens nas redes sociais dos móveis, materiais de construção e itens de decoração que tinha conseguido com as permutas. A situação veio se arrastando por cinco meses até que ela resolveu explanar.
Depois da denúncia de calote, segundo Cristina, ela recebeu mensagens de WhatsApp de um número que seria da filha de Perlla, a chamando de 'demônia infantil' e que ela iria 'morrer' e, por isso decidiu, fazer um boletim de ocorrência na DEAM. Dois dias depois, foi a vez de Perlla abrir um processo por difamação contra Cristina. A cantora ainda garantiu não ter recebido nenhum móvel e que o valor acordado entre as duas no início do ano seria de R$ 1 mil e não R$ 3 mil.