Luísa Mell fotos: reprodução

Por O Dia
Luisa Mell teve seu nome envolvido em uma polêmica na tarde desta quarta-feira (16). A ativista foi acusada de roubar um cachorro de raça no Twitter por um perfil chamado Pietra do Agreste. " ALuísa entrou na casa da família: uma mulher, um homem e um adolescente com espectro autista e levou os cachorros da própria família, um deles é um Borzoi. Pra quem não sabe, Borzoi não tem no Brasil (apenas uns 15) que é uma raça importada”, escreveu a internauta.
Em outra rede social, um perfil com o nome da cachorra, Antonieta Borzoi, reforça as acusações contra Luisa e alega que além de roubar o animal, a ativista teria forjado um atestado de óbito e doado a cadela para um amigo.
Luisa tratou de se defender da acusação. Segundo a a apresentadora e ativista, a cachorra de raça foi apenas uma dos 140 animais resgatados de um canil clandestino. "Sobre as falsas acusações de 'roubo de uma Borzoi' que circulam nas redes sociais: trata-se ação penal contra Gabriela Sertorio Bueno de Camargo, onde mais de 140 cães, incluindo uma cadela da raça Borzoi foram apreendidos pela polícia em cumprimento a uma ordem judicial de busca e apreensão no canil da Gabriela Bueno, depois de denúncias de criação irregular de cães e tráfico de drogas", explicou Luisa, que disse que a cachorra vivia em más condições.
Publicidade
"A Borzoi estava há dias, sozinha, em um quarto escuro e sem janela quando a polícia chegou. Quem determinou quais cães seriam apreendidos foram as autoridades públicas, tendo o Instituto Luisa Mell apenas cumprido determinações das autoridades policiais. No local que não era uma clínica veterinária, foram encontradas cadelas suturadas com linha de pesca, anestésicos e tesouras cirúrgicas, drogas, além de foto da Gabriela que não é veterinária em uma cesária", completou.