Uma forte ventania

Hoje é celebrada a solenidade de Pentecostes, quando Jesus cumpre a promessa de permanecer sempre presente

Por O Dia

A Igreja celebra hoje a solenidade de Pentecostes, concluindo o Tempo Pascal. Após a Ascenção do Senhor aos céus, Jesus cumpre a promessa que fez aos apóstolos que, mesmo estando junto ao Pai, permaneceria sempre presente com eles, e envia o Espírito Santo.
Na primeira leitura da liturgia de hoje, a vinda do Espírito Santo em Pentecostes é comparada a uma forte ventania. A rajada de vento sugere uma força grande, mas não finalizada em si: é uma força que muda a realidade.
De fato, o vento sempre traz mudanças: correntes quentes quando está frio, frescas quando está calor, chuva quando há seca. O mesmo, embora a nível muito diferente, faz o Espírito Santo: Ele é a força divina que muda o mundo.
Muda também os nossos corações. O Espírito liberta os espíritos paralisados pelo medo, vence as resistências. Dilata os corações mesquinhos e impele ao serviço quem se desleixa na comodidade. Faz caminhar quem sente ter chegado. Faz sonhar os pessimistas.
Esta é a mudança do coração: não revoluciona a vida ao nosso redor, mas muda o nosso jeito de encarar a vida; não nos livra de um momento para o outro dos problemas, mas nos dá força para enfrenta-los; não nos dá tudo imediatamente, mas nos faz caminhar confiantes, sem nos deixar cansar.
Por isso, aprendamos hoje o que devemos fazer quando precisamos de uma verdadeira mudança. E quem de nós não precisa? Sobretudo quando nos encontramos cansados com o peso da vida, quando as nossas fraquezas nos oprimem, quando avançar é difícil e amar parece impossível. Então pedimos ao Espírito Santo para nos dar a verdadeira força.
Espírito Santo, uma forte ventania de Deus, soprai sobre nós. Soprai nos nossos corações e nos fazei respirar a ternura do Pai. Soprai sobre o mundo o suave calor da paz e a fresca restauração da esperança. Vinde, Espírito Santo, mudai-nos por dentro e renovai a face da terra. Amém!
Padre Omar é reitor do Santuário do Cristo Redentor do Corcovado

Comentários