Mais Lidas

Presidência da Alerj em jogo

A Coluna entrevista hoje André Ceciliano, presidente em exercício da Assembleia Legislativa que articula para permanecer na cadeira. Petista é rejeitado pelo PSL de Bolsonaro

Por PAULO CAPPELLI

Por ser do PT, André Ceciliano sofre rejeição do PSL de Bolsonaro, que na próxima legislatura terá a maior bancada da Casa
Por ser do PT, André Ceciliano sofre rejeição do PSL de Bolsonaro, que na próxima legislatura terá a maior bancada da Casa -

Quando assumiu interinamente a presidência da Assembleia Legislativa no ano passado no lugar de Jorge Picciani (MDB), André Ceciliano (PT) foi muito criticado por seus pares pela inabilidade na condução dos trabalhos.

O tempo fez com que o petista desse a volta por cima. Hoje respeitado pela atenção que dedica aos deputados, Ceciliano pretende disputar, em 2019, a eleição à presidência desta vez efetiva da Alerj. Para ser eleito, precisará do apoio de ao menos 36, dos 70 deputados. Mas há adversários de peso em seu caminho.

O DIA: O PSL elegeu 13 deputados e, com isso, terá a maior bancada da Alerj na próxima legislatura. Presidente do partido no Rio, Flávio Bolsonaro diz que não aceitará um nome da esquerda na presidência da Casa. A restrição serve para o senhor, do PT.

André Ceciliano: Olha, aqui é um Parlamento, lugar de convergência. Eles podem ter a opinião deles. É uma bancada grande, e a gente respeita, mas o Parlamento é onde se negociam as composições para a próxima mesa diretora. Para ter candidatura, tem que ter 13 nomes. Tendo 13 nomes, registra-se a chapa. E, para ganhar, tem que ter 36 votos. Para dizer que PT, Psol e PCdoB não podem ocupar a presidência da Alerj, eles (o PSL) têm que ter uma chapa que supere 36 votos. Aqui é o jogo democrático. Não pode vedar partido.

O senhor vai procurar o PSL para tentar reverter essa rejeição à sua candidatura?

A Alerj é a casa do diálogo. Vou conversar com todos os partidos, inclusive com o PSL.

Seu xará André Corrêa (DEM) também está buscando apoios para se lançar candidato.

A minha relação com ele é a melhor possível. O André é meu irmão fraterno. Tenho certeza de que nós teremos uma única candidatura ao invés de duas. Não tem hipótese de disputarmos separadamente. Vou tentar de todas as formas convencê-lo a estar na minha chapa.

Até o momento, quantos parlamentares lhe declararam apoio?

Trinta e nove deputados de 13 partidos já me declararam o voto para a presidência. Até mesmo de partidos como o PSDB e o DEM (do próprio André Corrêa). Estamos construindo uma frente que tem todas as matizes ideológicas da Casa: do PSDB ao Psol. E de parte do DEM. Eu não poderia ser candidato de mim mesmo. Graças a Deus estou conseguindo um apoio natural de boa parte da Casa.

Caso o senhor permaneça na presidência da Alerj, avalia que teria melhor relação com Wilson Witzel (PSC) ou Eduardo Paes (DEM)?

O presidente da Alerj tem que ter postura institucional e ser o presidente de todo o Parlamento, não pode estar aqui para privilegiar governador pelo partido a que ele pertença. Neste período aqui na presidência, já demonstrei isso. Acho que o importante para o partido do governador é estar nas comissões importantes da Casa, a de Constituição e Justiça, a de Orçamento...

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários