MDB do Rio ataca Lava Jato

Os emedebistas estavam inconformados com as prisões recentes de deputados estaduais na Furna da Onça, um desdobramento da operação

Por CÁSSIO BRUNO

Rio - Na reunião desta sexta-feira do MDB que renovou por mais dois anos o mandato de Leonardo Picciani na presidência do partido no estado, a Lava Jato foi um dos assuntos principais e sofreu ataques. Os emedebistas estavam inconformados com as prisões recentes de deputados estaduais na Furna da Onça, um desdobramento da operação.

Na avaliação deles, boa parte desses parlamentares pertence ao baixo clero da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e não tem poderes para interferir em votações. Por isso, disseram, as prisões sob a alegação de que poderiam prejudicar as investigações "não têm cabimento". Participaram prefeitos, vereadores e deputados.

Bolsonaro pai

Os emedebistas aparentaram conformidade com a bandeira do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) contra a corrupção. Ontem, a Coluna revelou que o futuro ministro Sérgio Moro reforçará a Polícia Federal do Rio para acelerar a Lava Jato no estado.

Bolsonaro filho

Na reunião, porém, políticos do MDB falaram muito mal de Flávio Bolsonaro. Disseram que o senador eleito do PSL age de forma provinciana e se envolve desnecessariamente na disputa pela Presidência da Alerj.

Só para lembrar

O MDB, do ex-governador Sérgio Cabral, do ex-presidente da Alerj Jorge Picciani e do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, é o maior alvo da Lava Jato. O trio está preso.

Aliás...

Marco Antônio Cabral, deputado federal não reeleito e filho do ex-governador, não deu as caras no encontro. Danielle, candidata a deputada federal derrotada e filha de Cunha, também não.

Toma lá, dá cá

Crivella (PRB) criou a superintendência de Santíssimo. Quem comanda são aliados do vereador Zico (PTB), do grupo dos vereadores Rosa Fernandes e Rafael Aloísio de Freitas, ambos do MDB. Eram oposição, e, agora, são governo.

Árvore da Lagoa

A árvore de natal da Lagoa perigava ser embargada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O órgão informou à prefeitura e aos realizadores do evento que a liberação estava condicionada à reforma da pérgula do Parque dos Patins, que desabou e interditou a área.

Outro lado

O subsecretário de Eventos, Rodrigo de Castro, diz já ter enviado ao Iphan o projeto das obras. Crivella deu sinal verde. O local será cercado para evitar acidentes e, segundo Castro, não atrapalhará a visitação.

Milícia

Preso suspeito de chefiar uma milícia, o sargento reformado da PM, Dalmir Pereira Barbosa, teve recurso negado pela 13ª Câmara Cível contra a decisão de primeira instância que acolheu nova denúncia por improbidade administrativa.

Agiotagem

Barbosa e seu irmão, Dalcemir, são acusados de enriquecimento ilícito e agiotagem por abrirem empresas de fachada para exploração de comércio de transporte alternativo ilegal em Jacarepaguá.

Ninguém foi

Sabe aquele protesto contra a permanência no cargo do comandante dos Bombeiros, Roberto Robadey? Não teve adesão.

 

Comentários