Governador do Rio quer derrubar candidatura de Paes via Bretas

Wilson Witzel atua para que ex-prefeito do Rio não dispute as eleições novamente. Na semana passada, ele nomeou a irmã de juiz da Lava Jato na Controladoria Geral do Estado

Por CÁSSIO BRUNO

O juiz Marcelo Bretas mandou à prisão aliados de ex-prefeito do Rio
O juiz Marcelo Bretas mandou à prisão aliados de ex-prefeito do Rio -

Wilson Witzel (PSC) tem feito de tudo para que Eduardo Paes (DEM) não concorra à Prefeitura do Rio no ano que vem. E há um personagem central na missão: o juiz federal Marcelo Bretas, que mandou para a cadeia os principais aliados de Paes. Há expectativa sobre os próximos passos da Lava Jato, operação contra a corrupção capitaneada por Bretas, amigo do governador. No Judiciário, o temor é o possível uso político da relação porque a imagem do magistrado, que é boa até o momento, poderia sair arranhada. Além da mágoa da eleição passada com Paes, Witzel quer eleger um prefeito aliado.

IRMÃ DE JUIZ DA LAVA JATO GANHA CARGO

A irmã do juiz Marcelo Bretas, Marcilene Cristina Bretas Santana, aliás, acabou de ser nomeada no governo Witzel. A informação foi publicada no blog do jornalista Ruben Berta e confirmada pela Coluna. O cargo ocupado por ela é o de assessora da Controladoria Geral do Estado. A contratação ocorreu na última quinta-feira por meio de José Luís Zamith, secretário da Casa Civil e de Governança. No caminho de Paes, além de Witzel, há ainda a própria esposa Cristina Paes, que não quer ver o marido em campanha.

APOIO DE GOVERNADOR ESTÁ EM ABERTO

Wilson Witzel já indicou publicamente que o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL) seria o seu candidato a prefeito do Rio. No entanto, gente bem próxima ao governador do Rio afirma que o apoio ainda está em aberto. Ou seja: Amorim não é pule de dez e nem uma unanimidade. Pelo contrário. A turma do Palácio Guanabara não descarta a possibilidade de o PSC, comandado por Pastor Everaldo, e o PSL, feudo da família Bolsonaro, se enfrentarem na eleição municipal da capital.

CABRAL, PICCIANI E A 'BANDA PODRE'

O grupo de Witzel acha que o caminho correto seria levar o MDB institucionalmente para o governo, oferecendo uma secretaria, de forma transparente, com discurso de deixar de fora a "banda podre" da legenda e engrossando a aliança para 2020. Ao dar o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) na surdina à sigla de Cabral e Picciani em troca de apoio na Alerj, aliados veem como o tradicional toma lá, dá cá.

NA ALERJ, EFEITO CONTRÁRIO

Ao escancarar a porteira para o MDB no DER, Witzel pode causar um efeito contrário no lugar de atrair aliados para a sua base. Deputados que vão concorrer às prefeituras estão revoltados com o acordo.

FICAR NAS MÃOS DO MDB, NÃO!

Parlamentares postulantes ao Executivo argumentam que o DER é um dos principais canais para atrair o eleitor com asfalto. E, neste contexto, se ficarem nas mãos do MDB, não é a melhor solução para conquistar votos.

ACORDO VALE ATÉ PARA MILITARES

O céu é o limite para os emedebistas dentro do governo Witzel. Deputados, veja só, conseguiram promoções recentes para militares. Seus aliados subiram na patente de tenente-coronel para coronel da PM.

RECLAMAÇÃO DE LIXO NA MUZEMA

Fernando Mac Dowell Filho, herdeiro do vice-prefeito do Rio, morto há quase um ano, criticou Marcelo Crivella (PRB). "Prefeito, avisa à Comlurb que o lixo está acumulado. Falta atitude!", disse no Facebook.

SEM CONTROLE

Pais de alunos do Colégio Vitória, que fica numa área da Primeira Igreja Batista, no Estácio, estão com medo. Para acessar um restaurante, clientes passam dentro da unidade.

PICADINHO

Nos próximos dias 27 e 28, acontece a Festa Literária de Santa Teresa (FLIST). O evento será no Parque das Ruínas.

Para comemorar o Dia Nacional do Choro, terá feijoada na Feira do Lavradio, dia 4. Na Rua do Rezende, 14, Centro.

Quinta, Abel Reis lança "Sociedade.com", na Travessa do Shopping Leblon. A renda será doada ao Instituto de Tecnologia e Sociedade.

SOBE

LULU SANTOS

Cantor e compositor oficializou, na última sexta-feira, união estável com o modelo Clebson Teixeira.

DESCE

MATHEUS ROMANELLI

Delegado da 76ª DP (Niterói) foi preso pelo crime de organização criminosa. O policial já havia sido preso em 2018.

Comentários