'Não viram que eu tenho cérebro', diz filha de Eduardo Cunha sobre derrota nas urnas

Danielle Cunha responde seguidores do Instagram sobre eleições, governo Bolsonaro e corrupção

Por CÁSSIO BRUNO

Danielle Cunha continua filiada ao MDB, partido do pai, que está preso
Danielle Cunha continua filiada ao MDB, partido do pai, que está preso -
A publicitária Danielle Cunha (MDB), de 31 anos, filha do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB), tem usado o Instagram para responder perguntas de seus pouco mais de mil seguidores. Os assuntos incluem corrupção, governo Bolsonaro e eleições. Derrotada na disputa para deputada federal no ano passado, ela foi questionada se a imagem do pai, preso na Operação Lava jato desde 2016, a prejudicou nas urnas: “Houve uma rechaça generalizada a tudo que envolvia a chamada velha política. Sem dúvida isso criou pré-conceitos de modo que as pessoas não viram que eu tinha cérebro e ideias”.
DANIELLE DÁ NOTA 5,5 PARA BOLSONARO
Evangélica, Danielle Cunha teve apenas 13.424 votos. Em 2014, o pai conquistou 230 mil. No Instagram, ela escreveu ainda sobre corrupção: “Fácil estereotipar o político como corrupto quando a pessoa que estereotipa está no seu cotidiano burlando algo aqui e ali”. Sobre governo Bolsonaro, respondeu: “Nunca vi tanta confusão em um período tão curto de tempo. Hoje eu daria nota 5,5”. Danielle se disse confiante com o presidente, mas, segundo ela, “falta bastante para entrar no eixo”. “Certamente estão aprendendo que sozinhos não governarão”.
FAMÍLIA TENTA TRANSFERÊNCIA PARA O RIO
O ex-deputado Eduardo Cunha está preso em Curitiba. Os advogados tentam a transferência para o Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste, onde o amigo e ex-governador Sérgio Cabral (MDB) e outros deputados estão detidos por corrupção. A justificativa é de que a família de Cunha mora no Rio. À Coluna, a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) e o Tribunal de Justiça disseram que ainda não foram notificados. A defesa de Cunha não foi localizada nesta terça-feira.
MDB NACIONAL PODE PEDIR INTERVENÇÃO
O MDB nacional deverá mudar de mãos em breve. Romero Jucá, presidente do partido, atua para que o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, assuma o comando da legenda. Caso a troca ocorra, emedebistas do Rio dão como certa uma intervenção no diretório estadual, o que significa a saída de Leonardo Picciani da presidência. O pai Jorge Picciani já deixou a sigla, mas o filho tem batido o pé e diz que fica.
A GRANA NÃO ESTÁ PINGANDO
Gutemberg Fonseca, secretário estadual de Governo e Relações Internacionais, desembarca hoje em Brasília. Irá ao Tribunal de Contas da União para prestar contas do Segurança Presente de gestões anteriores.
DESBLOQUEIO APENAS PELO TCU
O dinheiro da Fecomércio não pode ser repassado ao programa, que inclui ações sociais, por falta de transparência. São R$ 47 milhões/ano. “Sem a iniciativa privada, não conseguimos expandir” diz Gutemberg.
LIBERDADE VIGIADA NA REDE
Um funcionário da RioFilme foi demitido semana passada dois dias depois de publicar em sua rede social críticas a Jair Bolsonaro e a Wilson Witzel. “É um psicopata”, escreveu sobre o governador do Rio.
CRIVELLA E A DIVERSIDADE
De olho no eleitorado LGBT, Marcelo Crivella (PRB) abrirá as portas do Palácio da Cidade na sexta-feira para ações de promoção e defesa da diversidade. Mas... o prefeito do Rio ainda não confirmou presença.
ALERJ É CORAÇÃO DE MÃE
Vice na chapa derrotada de Nelson Bornier à Prefeitura de Nova Iguaçu em 2016, Thiago Portela foi nomeado pelo deputado Marcos Muller (PHS). Salário: R$ 9,8 mil.
PICADINHO
O ‘Batom na Caneca’ leva arte, moda e gastronomia para o Teatro Popular Oscar Niemeyer, em Niterói, nos dias 17, 18 e 19. Entrada franca.
O CineMAM exibe filmes no sábado, de 17h às 22h, no Museu de Arte Moderna. Av. Infante Dom Henrique, 85.
Sábado e domingo, às 10h, acontece o ‘11º Turismo Cultural no Bairro Imperial de São Cristóvão’. Gratuito.
DESCE
PROCURADOR MILITAR
Jaime Miranda pediu suspensão de investigação do Ministério Público sobre morte do músico Evaldo dos Santos.
DESCE
LUIZ PHILIPPE ORLEANS
Em homenagem à Lei Áurea na Câmara, deputado federal do PSL diz que escravidão é “da natureza humana”.

Comentários