Senador do Rio é alvo do Supremo Tribunal Federal

Por Sidney Rezende

Arolde de Oliveira
Arolde de Oliveira -
O inquérito que investiga o financiamento de atos antidemocráticos, que pedem o fechamento do Congresso e do STF e a intervenção militar, que está sob o comando do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, alcançou um único senador: Arolde de Oliveira (PSD/RJ). O ministro determinou a quebra do sigilo fiscal de Arolde e mais 10 parlamentares que integram a base bolsonarista no Congresso Nacional.
O senador de 83 anos é um veterano. Ele conquistou 9 mandatos consecutivos como deputado federal. Seus votos são originários, basicamente, do eleitorado evangélico. Ele e sua família são donos de rádio, gravadora e comandam o Grupo MK de Comunicação. No ano passado, teve o seu nome envolvido na investigação sobre o assassinato a tiros de Anderson do Carmo, então marido da deputada federal pelo PSD Flordelis, em Niterói, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Investigações da polícia mostraram que horas após o crime, o aparelho celular de Anderson conectou na rede wifi da casa do senador Arolde de Oliveira, na Barra da Tijuca. Nessa conexão, o chip original foi trocado por um em nome de Yvelise de Oliveira, esposa de Arolde. Um ano depois, Arolde volta ao noticiário. A suspeita, desta vez, é que o senador possa ter financiado disparos de mensagens por whatsapp durante a campanha eleitoral de 2019.
No seu livro “Deus quis – Eleições na era digital”, lançado após o pleito, ele conta como planejou e executou a campanha eleitoral de 2018, que o levou ao Senado Federal. Através de contextualizações política, social e tecnológica, o político mostra ao leitor o porquê da opção pelo uso das redes sociais como principal meio de comunicação de sua candidatura. Ele conta como cada ação digital foi montada e executada, resultando nos 2.382.265 votos (17,06%). No material de divulgação consta que "era claro que os limitadíssimos recursos não permitiriam fazer uma campanha analógica, de rua, e achar que íamos ter dois ou três milhões de votos. Precisaríamos fazer o que ninguém nunca fez. Resultados extraordinários com recursos limitados só acontecem com uma estratégia inovadora". Na última sexta-feira (19), Arolde de Oliveira presidiu reunião virtual com a Executiva do seu partido e explicou que "está tranquilo" e que, sobre as atuais investigações, tudo será esclarecido quando ele apresentar sua defesa. 

Flávio convoca defesa experiente

A escolha dos advogados Rodrigo Roca, criminalista, e Luciana Pires, especialista em direito militar, para defenderem o senador Flávio Bolsonaro, foi avaliada por profissionais da área como acertada. "Não fazem política, são advogados de dia a dia", disseram. Um craque do direito deu uma caçoada: "Roca defendeu o Sérgio Cabral. Como se vê, ele gosta de causas impossíveis". 

O cálculo eleitoral

O vereador Leandro Lyra, que se elegeu pelo Novo, hoje filiado no Republicanos, é engenheiro com formação no Instituto Militar de Engenharia (IME). Tem no currículo a Medalha de Prata na 20ª International Mathematics Competition for University Students, a maior competição universitária de matemática do mundo. Calculando o futuro político disse: "O Crivella ganha a eleição". 

Pedido de investigação

A vereadora Deise do Seu Dino (PSL) e mais dois colegas vão dar entrada esta semana num pedido de CPI na Câmara de Duque de Caxias para investigar as compras na pasta da Saúde do município. 

PICADINHO

MPRJ instaura procedimento para apurar irregularidades no Hospital de Campanha do Riocentro e no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla.

Hospital São Vicente de Paulo tem vagas abertas para pessoas com deficiência (PCD) em diversas áreas. Interessados podem enviar o currículo para recrutamento@hsvp.org.br

O especialista em vendas Diego Maia é o convidado da MasterClass Online da Escola de Negócios e Seguros (ENS), quarta (24), às 17h. A live será no Instagram @diegomaia_cdpv. 

Comentários