PSOL de Volta Redonda propõe taxação dos mais ricos

Por Sidney Rezende

Juliana Carvalho é a pré-candidata do PSOL em Volta Redonda
Juliana Carvalho é a pré-candidata do PSOL em Volta Redonda -
A melhor decisão sobre o que priorizar no orçamento municipal de 2021 foi um dos assuntos comentados pela pré-candidata à Prefeitura de Volta Redonda pelo PSOL, Juliana Carvalho, em live do jornal O Dia. "A gente tem hoje uma propaganda em termos do orçamento do nosso município, que teríamos uma dívida de R$ 1,7 bilhão. A gente entende que, quando o prefeito assina documentos oficiais, a dívida é muito menor. Inclusive, alguns pré-candidatos compraram essa ideia, que a dívida do município é desse tamanho. O que a gente propõe? a gente entende que nós temos uma lei de responsabilidade fiscal e essa lei, sob nosso ponto de vista, tem problemas, mas estamos aqui para agir de acordo com a institucionalidade. A partir daí, se a gente parar para analisar, nós pretendemos, ou é uma ideia, é que haja uma proposta de reforma tributária. E é uma reforma tributária que vai incidir sobre a cassação dos imóveis não residenciais. Isso vai ter um impacto direto, por exemplo, nos 25% de terras que não têm uso social e estão hoje nas mãos da CSN. Porque a gente sabe que, após a privatização, uma grande parte da nossa cidade foi privatizada junto. E a gente entende também que há uma necessidade de uma reparação. A população de Volta Redonda precisa, ao mesmo tempo, de uma reparação e o município precisa que o orçamento cresça, para a gente garantir inúmeros direitos, inclusive o direito ao trabalho", disse.

"Então, pensar a partir da necessidade de uma reforma tributária e pensar que essa reforma tributária vai beneficiar a todos, porque vai haver uma taxação apenas sobre os mais ricos e donos de grandes extensões de terra. Isso vai possibilitar, inclusive, que a gente isente as duas primeiras faixas mais vulneráveis da nossa população". 

Reviravolta em Queimados

Max Lemos - Reprodução / Facebook
Além de se preocupar com a corrida em Nova Iguaçu, o deputado Max Lemos, agora, tem uma dor de cabeça de última hora: Carlos de França Vilella, que o sucedeu na prefeitura de Queimados, e tinha aceitado abrir caminho para Lenine, irmão de Max, botou na cabeça que será candidato à reeleição. 

Vou varrendo...vou varrendo...

Os bancários fecharam negociação com os bancos preservando direitos por 2 anos, abono de R$ 2 mil e um reajuste de 1,5% este ano e INPC + 0,5% em 2021. A comemoração será hoje (4) com show do Grupo Molejo. 

PICADINHO

Campanha +LIVROS recebe quase R$ 500 mil de apoiadores e vai beneficiar autores, editoras e livrarias independentes. 
SuperVia convida clientes a escreverem sobre acontecimentos positivos de suas vidas em ação do "Setembro Amarelo", que busca combater os casos de suicídio.
ACRJ vai promover seu primeiro Seminário Nacional sobre diversidade nas empresas, hoje (4), 10h, no canal da ACRJ no YouTube.

Comentários