O FGTS também pode ser usado como lance para conseguir o imóvel mais rapidamente - Freepik
O FGTS também pode ser usado como lance para conseguir o imóvel mais rapidamenteFreepik
Por Cristiane Campos
Você sabia que o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) pode ser usado no consórcio de imóveis? Pois é, o recurso também é um aliado para você dar o lance e conseguir o bem mais rapidamente, para comprar um imóvel de maior valor, quitar o consórcio ou pagar até 80% do valor da parcela mensal, desde que você cumpra as regras do Conselho Curador. Entre elas estão não ter imóvel no seu nome e nem ter financiamento pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH). Segundo levantamento da Abac (Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios), que acaba de sair, de janeiro a abril, 1.090 consorciados-trabalhadores utilizaram o FGTS no consórcio. Esse recurso foi usado parcialmente ou totalmente para pagar parcelas, ou quitar débitos, bem como ofertar valores em lances ou complementar créditos, somando pouco mais de R$ 51,06 milhões, montante divulgado pela Caixa.
Consórcio de imóveis é alternativa na pandemia
Publicidade
O segmento de imóveis foi o menos prejudicado com a pandemia no sistema de consórcio que inclui moto, carro, caminhão e serviços, entre outros. A influência da crise por conta do coronavírus nos últimos 45 dias do quadrimestre não prejudicou significativamente o setor de imóveis. Segundo a Abac (Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios), neste segmento, foi registrada desaceleração, porém mesmo assim ainda diferenças se mantiveram positivas nos indicadores do quadrimestre. Para se ter ideia, a participação do consórcio de imóveis no total de contratos de financiamentos habitacionais (com recursos da poupança), foi de 22,9%, ou seja, 30.580 unidades sobre 133.300, volume total disponibilizado pela Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança) nos primeiros quatro meses do ano.

Já o número de participantes ativos em abril foi 964,46 mil contra 915 mil do mesmo mês do ano passado, ou seja, alta de 5,4%. A venda de novas cotas no período também subiu 5,5%, chegando a mais de 97 mil cartas ante a 92 mil de abril de 2019. Outro dado que surpreende é o aumento no tíquete médio da carta de consórcio que saltou de R$ 186.770 contra R$ 148 mil, aumento de 26,2%. O montante de crédito liberado no período também é expressivo, saltando de R$ 2,55 bilhões para R$ 4,98 bilhões, crescimento de 95,3%.