Retomada dos lançamentos imobiliários impulsiona novas oportunidades de trabalho no país - Freepik
Retomada dos lançamentos imobiliários impulsiona novas oportunidades de trabalho no paísFreepik
Por Cristiane Campos
Com o mercado imobiliário reagindo mesmo em um ano atípico, o setor da construção está abrindo postos de trabalhos e contratando novos fornecedores em todo o país. Isso por conta da grande demanda de lançamentos que começam a acontecer desde o segmento econômico até o de alto padrão. A MRV, plataforma líder de soluções habitacionais, por exemplo, está buscando no mercado novos parceiros para atuarem em suas obras no Rio de Janeiro.

O foco desta vez são os prestadores de serviços de engenharia na categoria de mão de obra. Nesta quarta-feira, dia 11 de novembro, a MRV realizará um evento online com as empresas para um bate-papo individual com o objetivo de conhecer melhor os fornecedores. As empresas interessadas devem entrar em contato por meio do e-mail [email protected] No assunto da mensagem, inclua "Novos parceiros MRV" e a categoria de serviços da empresa.
Mais de 12 milhões de brasileiros pretendem comprar o imóvel
Publicidade
Estudo da Datastore Series revela que mais de 12 milhões de famílias planejam comprar o imóvel nos próximos 24 meses. Isso equivale a 23,9% do grupo que participou do levantamento, índice próximo ao da pré-pandemia que apontava, no primeiro trimestre do ano, intenção de compra da moradia por 25% das famílias brasileiras. "Continuamos subindo, estamos com 12,1 milhões de famílias, praticamente o mesmo patamar de 15 de março. Todavia são grupos diferentes, a maioria destes compradores são novos, ou seja, chegaram durante a pandemia", explica Marcus Araujo, CEO e fundador da Datastore.

Outro dado ainda mais interessante é que quem está comprando são as pessoas que já estavam no funil de compras de 24 meses, mas que estão decidindo adquirir mais rápido e de forma mais consciente. "O percentual de compradores ávidos (12 meses) subiu para 53% e a última vez que isso ocorreu foi em 2011. O último trimestre de 2020 pode ser imbatível para o setor imobiliário", completa Araujo.