Servidores batem ponto no Carnaval para garantir funcionamento da festa

Enquanto escolas de samba e blocos desfilam, eles atendem à população

Por PALOMA SAVEDRA

O médico veterano Hugo Baptista, 70 anos, leva seu conhecimento aos profissionais que estão chegando
O médico veterano Hugo Baptista, 70 anos, leva seu conhecimento aos profissionais que estão chegando -

Rio - Os turistas invadem a capital fluminense em busca de diversão, os foliões se divertem, as ruas do Rio e o Sambódromo lotam. Carnaval é isto: incentiva alegria, movimenta a economia, mas, para acontecer, é preciso muito trabalho antes, durante e depois da festa. E para garantir o funcionamento dos equipamentos públicos, o ordenamento das vias, a segurança e a saúde da população, são os servidores que estão a postos.

Só a Guarda Municipal da Prefeitura do Rio, por exemplo, vai contar com 5.493 guardas nos blocos e mais 3.480 na Sapucaí, com foco no ordenamento urbano e fiscalização do trânsito. A CET-Rio mobiliza 610 agentes para ordenar cruzamentos, efetuar bloqueios viários necessários, orientar pedestres e outras ações. Serão usados 10 reboques para desobstrução de vias, 20 motocicletas e 12 veículos operacionais.

A Comlurb está com 7.686 garis em blocos de rua, Sambódromo e nos desfiles da Intendente Magalhães, desde sexta, e o reforço vai até quarta-feira. A companhia de limpeza tem ainda o apoio de 400 veículos.

Já na área de saúde, o Município do Rio coloca quatro postos médicos — com leitos e estrutura para situações de emergência — nos corredores dos blocos. E na Marquês de Sapucaí são sete unidades da Secretaria Municipal de Saúde funcionando durante todas as noites de desfile até o sábado das Campeãs. E a Vigilância Sanitária está com 115 fiscais.

Um veterano de Carnaval

Um veterano na 'função Carnaval' é o médico cirurgião do Município do Rio Hugo Baptista, de 70 anos. Desde 1976 ele 'bate ponto' nos desfiles das agremiações da Série A e do Grupo Especial, e chegou a trabalhar na Avenida Presidente Vargas, quando o evento ocorria ali. Atualmente, Baptista passa todo seu conhecimento e experiência para os colegas que estão começando.

Coordenador de um dos postos que ficam na Sapucaí, ele conta que, durante a festa de Momo, o que mais gosta são a 'adrenalina' da emergência e o contato com os médicos de outras especialidades, além de enfermeiros e demais profissionais da saúde. "Tudo funciona de forma fantástica, e gera um prazer enorme. Normalmente, as equipes vão se renovando e precisam de uma nova geração para assumir. E vemos sempre uma melhoria. A medicina evoluiu e a parte de emergência evoluiu demais", diz.

"Na Sapucaí, a gente faz primordialmente emergência, e temos médicos de todas as especialidades. O trabalho das ambulâncias e de comunicação com os hospitais é sincronizado perfeitamente, e nós queremos oferecer sempre o melhor atendimento para o paciente, nós não nos livramos dele", descreve o médico, lembrando-se que, em outros tempos, os profissionais recebiam muitas baianas: "Elas tinham fantasias muito pesadas e tinham que rodar. Até infarto já teve. Hoje em dia é muito alcoolismo, hipertensão... tem de tudo".

Aimée De La Torre estreia na Guarda Municipal do Rio durante o Carnaval - Robert Gomes/Divulgação GM-Rio

De outra geração, a novata na Guarda Municipal Aimée de La Torre, de 25 anos, vai também adquirir a expertise de Carnaval. Recém-formada em Nutrição pela Unirio, Aimée fez sua estreia na função no último domingo, em um dos maiores blocos: o da Preta. Agora, ela acredita que iniciar o trabalho em plena folia vai ser praticamente um intensivo.

"Estrear na Guarda bem no Carnaval está sendo ótimo, fomos bem preparados durante todo o curso, tivemos disciplina como mediação de conflito, e no último domingo já evitamos muitos conflitos com uma aproximação, com um gesto, um cumprimento", conta. "Estamos colocando em prática o que aprendemos e, nessa época de festa, é ainda mais necessário", observa a jovem, que, perguntada sobre a área que mais gostaria de atuar dentro do órgão, responde: "Socorrista".

Mais de 10 mil PMs garantem a Segurança do estado

Para garantir a segurança em todo o estado, a Polícia Militar mobiliza 10.840 PMs por dia e 1.056 viaturas. O esquema começou na sexta e se estenderá até a Quarta-feira de Cinzas, com foco na capital, e cidades da Região Metropolitana. A Costa Verde também terá policiamento ampliado.

A Cidade Nova conta com 1.396 policiais desde sexta. Haverá ainda 47 viaturas em pontos estratégicos. Este ano, a novidade é o projeto piloto, em fase experimental, de leitura facial e de placas de veículos.

Reforço do Corpo de Bombeiros

O Corpo de Bombeiros começou a 'Operação Carnaval 2019' na sexta. Desde então, cerca de 200 militares estão trabalhando diariamente no Sambódromo e entorno. A corporação está com viaturas de atendimento pré-hospitalar e de combate a incêndio em pontos estratégicos.

Outras equipes estarão organizadas em quatro Grupos Táticos Avançados em diversas áreas da cidade. Na Passarela do Samba, bombeiros ficam espalhados na concentração, Juizado de Menores, Tribuna de Imprensa, e em todos os setores das arquibancadas, fundos e frisas, além da dispersão.

Galeria de Fotos

O médico veterano Hugo Baptista, 70 anos, leva seu conhecimento aos profissionais que estão chegando Reginaldo Pimenta
Aimée De La Torre estreia na Guarda Municipal do Rio durante o Carnaval Robert Gomes/Divulgação GM-Rio

Comentários

Últimas de Servidor