Reforma administrativa de Bolsonaro está 'em suspenso' diante de clima tenso

Governo não crava data para enviar PEC ao Congresso Nacional e ainda avalia ambiente político para isso

Por PALOMA SAVEDRA

Presidente não crava uma data para envio do texto; já Paulo Guedes recuou sobre críticas a servidores
Presidente não crava uma data para envio do texto; já Paulo Guedes recuou sobre críticas a servidores -

O envio da reforma administrativa ao Congresso Nacional já não tem mais data certa. Se antes a previsão do presidente Jair Bolsonaro era encaminhar a PEC (proposta de emenda constitucional) ao Parlamento esta semana, agora, o governo coloca o pé no freio e espera um ambiente político mais favorável para isso. Os governistas avaliam ainda se há necessidade de propor a medida.

A cautela se deve à recente declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, que comparou o servidor público a um parasita. Com isso, as categorias do funcionalismo federal, que já estavam mobilizadas contra o projeto de reestruturação do setor público, decidiram reagir de forma mais contundente. E o movimento ganhou maior adesão de servidores estaduais e municipais, já que a reforma poderá gerar um efeito cascata em todos os entes.

Por isso, a orientação dentro do Palácio do Planalto é para que os integrantes do governo não cravem datas e evitem dar mais informações a respeito do projeto.

E em meio a esse clima, alguns governistas defenderam a ideia de o Poder Executivo não enviar mais a sua PEC da reforma administrativa e 'jogar' essa responsabilidade para o Parlamento. Isso seria feito por meio de apresentação de emendas a alguma proposta de emenda constitucional já em tramitação nas casas legislativas (Câmara dos Deputados ou no Senado), como a PEC Emergencial, que prevê alguns gatilhos para cortes mais drásticos de despesas públicas.

O entendimento de alguns é que essa estratégia ajudaria a desmobilizar os servidores públicos em geral e causar menos impacto no setor diante das fortes críticas que Guedes fez ao funcionalismo.

O ministro, no entanto, se retratou: disse que sua frase foi descontextualizada e pediu desculpas aos funcionários públicos.

Mudanças devem afetar estados e municípios

A reforma vai alcançar os novos servidores, e não quem já ingressou em cargos públicos, tendo em vista que esses profissionais fizeram concurso quando outras regras estavam previstas. E, por isso, já têm direito adquirido.
A proposta acaba com a estabilidade de servidores, amplia o estágio probatório (hoje de três anos) para 10 anos, reduz o número de carreiras e acaba com promoções por tempo de serviço.
E a promessa é de que a PEC provoque um efeito cascata, modificando o regime jurídico de servidores de todos os entes.
No Estado do Rio, não há previsão de se adotar a reforma. Mas há integrantes do governo e também parlamentares na Alerj que defendem essa reestruturação. Alexandre Freitas (Novo) é um deles, que já fez discursos favoráveis à avaliação de desempenho. Para ele, “a falta de punição (em casos de baixa produtividade) não incentiva os bons servidores que se dedicam”.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários