União veta reajustes em 2021 para servidores civis e militares

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para o próximo ano não autoriza aumentos também para membros do Judiciário e Legislativo, além de Ministério Público Federal

Por O Dia

Paulo Guedes sempre defendeu austeridade no setor público
Paulo Guedes sempre defendeu austeridade no setor público -
O Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) para 2021 da União não autoriza reajustes apenas para os servidores civis. Militares e membros dos Poderes, como o Judiciário, e órgãos independentes, como Ministério Público Federal e Tribunal de Contas (TCU), também estão dentro dessa vedação.

A proposta do governo federal chegou no último dia 15 ao Congresso Nacional. E as Consultorias de Orçamento, Fiscalização e Controle do Senado e da Câmara dos Deputados divulgaram um informativo conjunto sobre o texto, ressaltando que aumentos estão desautorizados.
O projeto passará por audiências públicas, receberá emendas e deve ser votado até 17 de julho, em plenário, em sessão conjunta do Congresso.

Além da crise que se agrava em decorrência da pandemia do coronavírus, o congelamento salarial do setor público segue a política de austeridade defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

O ministro tem pedido a parlamentares, governadores e prefeitos para não concederem reajustes por pelo menos dois anos. Essa medida chegou a ser colocada como condição de Guedes para liberar R$ 77 bilhões aos estados e municípios para o combate à covid-19.
Mas os entes alegam que esse valor não é suficiente e defendem o projeto aprovado na Câmara, que libera mais de R$ 80 bilhões para recompor ICMS e ISS.

Comentários