O instituto Igarapé afirmou em nota que é inaceitável o Estado continuar apostando na letalidade como principal estratégia de segurança, sobretudo em lugares mais pobres.Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por O Dia
Em meio à pressão que as forças de Segurança Pública fazem no Congresso contra o arrocho previsto na PEC Emergencial, o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, pediu compreensão dos agentes. À imprensa, Mourão declarou, na manhã desta quarta-feira, ao chegar ao Palácio do Planalto, que os policiais devem dar sua cota de sacrifício.
"Não resta dúvida que o segmento da segurança pública é um segmento extremamente importante, porque provê uma daquelas que são as necessidades básicas da nossa população", afirmou Mourão.

No entanto, o vice-presidente ressaltou que o momento exige esforço de todo o país e de todas as categorias.
Publicidade
"Da mesma forma que a gente reclama que não pode ter tratamento desigual, as pessoas têm que compreender a situação fiscal em que o governo se encontra. É um momento de crise que requer medidas onde todos têm que dar sua cota de sacrifício", afirmou.