'A Culpa É das Estrelas' foge do clichê adolescente com toque de humor negro

Adaptação para o cinema da obra de John Green estreia com muita expectativa no Brasil nesta quinta-feira

Por leonardo.rocha

Rio - Recheado de cenas emocionantes e com a dose certa de humor negro, o longa "A Culpa É das Estrelas", que estreia nesta quinta-feira nos cinemas de todo o Brasil, foge dos clichês adolescentes servindo como reflexão de como viver uma vida melhor apesar das dificuldades, sem perder a inocência e a doçura de um romance entre jovens. Adaptado do best-seller homônimo do escritor americano John Green, o filme é fiel ao enredo original, com doses exatas de humor, romantismo e drama.

Filme estreai nesta quinta-feira nos cinemas de todo o BrasilDivulgação


O filme conta a história dos adolescentes Hazel Gracy (Shailene Woodley) e Augustus Waters (Ansel Elgort) que se conhecem em um grupo de apoio para jovens com câncer e se apaixonam intensamente logo no primeiro encontro. O problema é que Augustus começa inicia o romance com a doença controlada, enquanto Hazel sabe que não terá muitos anos de vida pela frente, pois seu câncer não tem cura.

Diante de um clima mórbido, John Green reverte a situação apresentando leves pitadas de humor negro, que permite ao espectador rir bastante da trágica história dos jovens. Com os pulmões frágeis, Hazel não pode ir a lugar nenhum sem seus tubos de oxigênio - como ela chama carinhosamente de Felipe -, Augustus não possui metade de uma perna, e seu melhor amigo, Isaac (Nat Wolff), perde os dois olhos.

O diretor Josh Boone trabalha bem as metáfora implícita dos personagens no livro com relação a morte, já que o casal sofre a expectativa de conviver o melhor possível com a doença. O cigarro de Agustos nunca é acesso, visto como uma maneira de “controlar a morte”. Outra cena marcante é quando ambos estão visitando a casa de Anne Frank em Amsterdã, na Holanda. A gravação da voz de Anne, falando sobre a esperança de um amanhã melhor, acaba por traduzir o sentimento de Hazel naquele exato momento em que o casal dá o primeiro beijo - momento muito esperando pelo público.

Cientes de seu pouco tempo de vida, os jovens têm a oportunidade de viver da maneira mais intensa que poderiam, se permitindo viver uma linda e única história de amor. "A Culpa é das Estrelas" acaba sendo maior que seu estereótipo, serve como reflexão sobre as surpresas da vida. Uma história muito triste, mas tratada de forma realista e delicada com um elenco cativante e uma trama envolvente.

Reportagem: Leonardo Rocha



Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia