Por daniela.lima

Rio - Não está fácil para o chope neste mês de Copa e invasão estrangeira. Que os gringos são loucos por caipirinha não é novidade, mas até os bares estão surpresos com o aumento nas vendas do mais famoso drinque brasileiro, que está atropelando nos balcões o líquido dourado das chopeiras. Com preferência para a versão clássica, feita com cachaça.

A delícia clássica do Quiosque do PortuguêsDivulgação


“É surpreendente. Vendemos 1.600 caipirinhas no fim de semana, na loja do Leblon”, diz o premiado mixólogo Gustavo Stemler, que cuida dos drinques da rede Belmonte.

No El Born, em Copacabana, que faz parte do grupo, Gustavo criou versão no copo de 400ml, que é coberta com gelo picado para manter a temperatura e a consistência da mistura, feita com cachaça artesanal mineira de Salinas (R$ 19). É ele quem dá as dicas para uma boa caipirinha ‘de raiz’.

“Tem que cortar o limão só na hora do preparo, e amassar demais é ruim, causa amargor. Gosto do açúcar cristal, que tem efeito ‘esfoliante’, liberando aromas da casca. É um limão em quatro pedaços, uma colher de açúcar, seis pedras de gelo e 60ml de cachaça, 10 segundos sacudindo forte na coqueteleira, voltando sem coar para o copo”, resume. Para o barman, as cachaças artesanais e brancas são ideais, embora as envelhecidas em madeiras de carvalho e amburana harmonizem bem com o limão.

No Quiosque do Português, no complexo Lagoon, especializado em caipirinhas, a tradicional de limão é feita com cachaça Fazenda Soledade (R$ 18). Em Laranjeiras, a barraca do Luizinho é famosa no chorinho da Rua General Glicério e na Praça São Salvador, onde as tradicionais de limão no copinho plástico recebem doses de cachaça artesanal que vem da mineira Tiradentes (R$ 9).

No Bar do David, também já premiado por suas ‘caipiras’ no morro do Chapéu Mangueira, o drinque leva pingas de Salinas, a exemplo da Seleta (R$ 16). A Academia da Cachaça, berço das melhores ‘marvadas’ do país, usa estratégia diferente e faz sua caipirinha de limão com a industrial e famosa Pitú, de Pernambuco (R$ 9,90). A explicação: é um tipo de cachaça mais ‘neutra’ na composição, que valoriza a fruta. Mas o cliente, naturalmente, pode escolher entre dezenas de cachaças para uma composição personalizada. No momento, o famoso ditado está ligeiramente modificado: se a vida te der um limão... Já sabe.

ACADEMIA DA CACHAÇA. Matriz do Leblon na Rua Conde Bernadote 26 (2529-2680). De dom a qua, das 22h à 1h. De qui a sáb, 22h às 2h. Cc: Todos. BAR DO DAVID. Ladeira Ary Barroso 66, Chapéu Mangueira, Leme (7808-2200). Diariamente, das 8h às 17h. Cc: Todos. EL BORN. Rua Bolívar 17, Copacabana (3496-1781). De seg a sex, das 17h às 2h. Sáb e dom, das 15h às 2h. Cc: Todos. LUIZINHO DRINKS. Rua General Glicério, em Laranjeiras, no sábado. E Praça São Salvador, no mesmo bairro, no domingo. Das 10h às 16h. Cc: Visa, Mastercard e Amex. QUIOSQUE DO PORTUGUÊS. Loja do Lagoon na Avenida Borges de Medeiros 1.424, Lagoa (8308-1373). De seg a sex, do meio-dia à meia-noite. Sáb e dom, das 11h à meia-noite. Cc: Todos.

Você pode gostar