Por karilayn.areias
A socióloga carioca Viviane Oliveira participa do Scar ProjectDivulgação

Rio - Há pouco mais de dez anos, o fotógrafo norte-americano David Jay se comoveu com o drama de uma amiga, que, aos 29 anos, foi diagnosticada com câncer de mama. Jay, que a fotografava desde que tinha 17 anos, queria fazer algo. “Eu a vi logo depois da mastectomia (cirurgia de retirada da mama) e sabia que iria fotografá-la novamente. Assim fiz. Entendi que tirar fotos é a minha maneira de enfrentar, compreender e aceitar as coisas”, conta o fotógrafo.

De lá para cá, Jay não parou mais. Percorreu dezenas de países retratando mulheres na mesma condição, que não tinham medo de posar para ele, mostrando o resultado da cirurgia. Nasceu então o Scar Project (Projeto Cicatriz, na tradução literal), que promove exposições mundo afora, revelando as mulheres (e suas cicatrizes) depois da mastectomia. Agora, pela primeira vez, David Jay traz para o Brasil seu projeto. A partir de amanhã, 27 fotografias estarão expostas no Museu de Arte Contemporânea (MAC), em Niterói, incluindo imagens de brasileiras.

A vinda do projeto para o Brasil foi iniciativa da Fundação Laço Rosa, que atua disseminando informações de prevenção ao câncer de mama, em parceria com a ONG Niterói Mais Humana. O objetivo é alertar para a detecção precoce da doença, além de ajudar jovens que passaram por este momento a encarar suas cicatrizes por um novo ângulo, uma nova lente. “Estou muito feliz com a oportunidade de apresentar para um número cada vez maior de pessoas fotos dessas mulheres tão corajosas. Espero que este trabalho seja instigante para o público no Brasil e que eles possam se envolver em um nível que ultrapasse a doença”, ressalta Jay.

Entre as brasileiras que pela primeira vez fazem parte do Scar Project, está a socióloga Viviane Oliveira: “As pessoas, mesmo que neguem, nos julgam e se importam com a aparência. Sobrevivi ao câncer, estou sobrevivendo ao sofrimento. Estou cada vez mais forte”, diz.

A mostra fica em cartaz até 2 de novembro, sempre de terça-feira a domingo. O ingresso custa R$ 10.

Você pode gostar