CaBloco Muderno mistura Rio e Pará em show

Grupo faz nesta quinta no Teatro Rival Petrobras uma prévia de seu desfile

Por tabata.uchoa

Rio - O músico Marco André Oliveira é paraense, mas vive no Rio de Janeiro há trinta anos. Os sons da sua terra não apenas não saíram de sua mente, como ainda aparecem misturados com samba e música eletrônica em seu mais novo projeto, o CaBloco Muderno, que faz seu primeiro show no Rio nesta quinta no Teatro Rival. A apresentação é uma preparação para o desfile de estreia, que acontece no domingo de Carnaval, dia 15 de fevereiro, em Vila Isabel.

CaBloco Muderno mistura Rio e Pará em showMutantes Produções / Divulgação

"Demorou, foi caro à beça para trazermos o CaBloco para cá, mas conseguimos e em dois meses de existência por aqui já está bombando", conta o músico, que dirige o bloco, toca violão, guitarra e guitanjo (mistura de guitarra com banjo).

O CaBloco ensaia e ministra oficinas de percussão na escola de percussão Maracatu Brasil, em Laranjeiras. Guto Goffi, baterista do Barão Vermelho e um dos sócios da escola, participa do show ao lado de Pedro Lúís, DJ MAM (parceiro de Marco numa música do bloco, 'Sambarimbó', unindo samba e carimbó) e de músicos dos blocos Sargento Pimenta, Thriller Elétrico e Empolga Às 9.

Novidade no Rio, o CaBloco foi formado em Belém há dois anos e meio. Marco desenvolve desde 2000 um trabalho voltado "para as coisas do Amazonas, mas chamando a atenção para algo universal, não para essa coisa folclórica. Trazemos a guitarra do brega e do carimbó para dentro do samba. Começamos no Pará por termos mais facilidade de patrocínio em Belém. O bloco tem uma estrutura muito grande", diz Marco, dividindo os trabalhos com os percussionistas Marcio Jardim, Nazaco Gomes e Kleber Benigno (todos do Trio Manari), Douglas Dias (do Conservatório Carlos Gomes), Mestre Paulo Black (mestre de bateria da Escola de Samba Quem São Eles) e André Alcântara (mestre de bateria do Bole Bole).

Quem quiser se preparar para os shows, já pode escutar o CD do CaBloco, disponivel para download grátis no site da turma. Além de inéditas como 'Ei Julia' e 'Ê Cabôco', o bloco adianta misturas conhecidas e feitas para fazer o público pular. "A gente gravou 'Lindo Balão Azul', do Guilherme Arantes, com Pepeu Gomes na guitarra! E também gravamos 'Sonífera Ilha', dos Titãs. Sempre achei que essa música deles era um brega paraense!", completa.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia