‘Já nasci pronto’, diz JP Rufino, que brilha na TV e no teatro

Ator de 12 anos vive Simonal em musical e médium em ‘Alto Astral’

Por tiago.frederico

JP com Ícaro Silva%3A eles são Simonal na infância e na fase adultaDivulgação

Rio - As histórias são diferentes mas, a julgar pela esperteza e a disposição, o destino do ator menino também incluirá suingue, sucesso e simpatia. Tudo com o ‘S’ de Simonal, personagem que JP Rufino, de 12 anos, interpreta quando criança em ‘S’imbora, o Musical — a História de Wilson Simonal’, que acaba de estrear no Teatro Carlos Gomes.

Vivendo também o pequeno médium Azeitona na novela ‘Alto Astral’, o menino responde ao estilo de Simonal quando perguntado se está curtindo a correria profissional entre os estúdios do Projac, em Jacarepaguá, e o teatro Carlos Gomes, no Centro: “Yeah! Estou amando isso tudo.”

Também filho de um músico — Sérgio Rufino, do grupo Revelação —, JP (que nasceu João Pedro) já estudou bateria, teatro, canto e sapateado, aprendeu a tocar pandeiro tamborim com o pai, mas, ainda assim, afirma, mostrando que não falta personalidade e bom humor por baixo dos cabelos black power: “Já nasci pronto.”

Se o papel de destaque na TV lhe rende fãs, pedidos de selfie e mensagens pelas redes sociais, o teatro se tornou uma escola para o desenvolvimento de talentos múltiplos. “A parte do musical que eu adoro é quando entro como se fosse um locutor, tipo DJ, e começo a cantar um rap do Max de Castro”, diz, citando um dos filhos de Wilson Simonal.

“Assisti a vídeos e pesquisei sobre o Simonal, as ideias dele, muitas pessoas não entenderam que ele foi um grande artista, e não um bandido”, afirma, sobre as acusações sofridas pelo cantor, de ter colaborado com os militares durante a Ditadura. “Estou escutando suas músicas, e o ‘Tributo a Martin Luther King’ me ensina a nunca parar de lutar”, afirma, todo trabalhado no discurso.

No bate-papo, JP faz questão de dizer que gosta de samba e é apaixonado pela Mangueira, antes de se revelar roqueiro ao citar algumas de suas bandas preferidas: Beatles, Charlie Brown Jr., Nirvana e Arctic Monkeys. No ano passado, ele foi escolhido o melhor ator mirim no prêmio Melhores do Ano, do ‘Domingão do Faustão’, pela atuação em ‘Além do Horizonte’, sua primeira novela.

“Fiquei comovido. Gosto de atuar e foi o que eu escolhi na vida”, conta. E admite que, com a volta às aulas, o assédio deverá aumentar no colégio: “Tenho várias pretendentes, mas ainda não tenho idade. Vou deixar mais para frente”, avisa às pequenas.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia