Painel 'Etnias', de Eduardo Kobra, presente no Museu de Arte Urbana do Porto - Divulgação
Painel 'Etnias', de Eduardo Kobra, presente no Museu de Arte Urbana do PortoDivulgação
Por RICARDO SCHOTT

Rio - Está inaugurado oficialmente o primeiro museu a céu aberto do Rio, o Museu de Arte Urbana do Porto. Trata-se de um cenário que já é habitual do carioca, e que inclui os murais enormes feitos por grafiteiros como Eduardo Kobra. Mas que, pela primeira vez, aparece devidamente catalogado e mapeado, além de reunido numa plataforma digital que já está disponível, e traz mais de 50 painéis.

No MAUP, há roteiros como o do antigo Boulevard Olímpico, que pode ser percorrido em cerca de duas horas, e inclui obras de Kobra (o mural 'Etnias', que entrou para o Livro Guinnes dos Records como o maior do mundo), Panmela Castro e André Kanjaman. O roteiro do Santo Cristo, por sua vez, percorre 50 murais localizados da Gamboa até o Boulevard, e pode ser apreciado em quatro horas.

"Acreditamos que o que faz o MAUP ser tão atual é a liberdade de termos na mesma plataforma artistas conhecidos internacionalmente ao lado de novos. É um museu vivo, que está em constante transformação. Murais vão desaparecendo com o tempo e outros vão sendo pintados no seu lugar", conta um dos idealizadores do Museu, Andre Bretas, explicando que na plataforma, poderão ser conhecidas a obra, o artista e até a técnica utilizada na preparação da obra. O mapa das obras terá versão de bolso (impresso em pequenas edições de 1.000 exemplares colecionáveis) e digital com os dois roteiros para seguir. 

Serviço

MUSEU DE ARTE URBANA DO PORTO. Conheça roteiros e obras no site www.maup.rio. Entre os pontos de referência do trajeto estão o Pier Mauá (Av. Rodrigues Alves 20) e o Museu do Amanhã (Praça Mauá 1).

Você pode gostar
Comentários