Nego do Borel processa perfil fake

Prestes a iniciar turnê pela Europa, funkeiro diz que aprendeu com polêmicas. "Agora, penso muito antes de falar", afirma

Por Juliana Pimenta

Nego do Borel: arrependido
Nego do Borel: arrependido -

Rio - A cabeleireira Cleusa (de Mala e Cuia) Cruz, que ganhou fama ao tentar se divorciar do ex-marido, foi a mais recente vítima de Leno Maycon, o perfil fake no Facebook, que usa o nome de batismo de Nego do Borel para disseminar comentários e notícias falsas. "Meus advogados já foram acionados e estão tomando todas as medidas cabíveis para o caso", avisa o verdadeiro Leno Maycon, que está disposto a deixar no passado qualquer confusão.

Polêmicas

Desde o episódio com Luisa Marillac (em janeiro deste ano, o cantor chamou a transexual de "homem gato" e que "deve estar cheio de gatas"), a imediata repercussão negativa, sendo chamado pelo público de transfóbico e preconceituoso, vaiado em um show de Anitta e ainda tendo que cancelar a gravação do próprio DVD, Nego diz que as tretas são mesmo águas passadas. "Tenho aprendido muito. A gente sempre aprende mais a cada dia. Eu acredito que amadureci muito com tudo o que aconteceu", avalia o cantor, que só tem olhos para a sua turnê europeia. "Vai acontecer agora em julho e passará por mais de 10 países. Mas tenho muitas novidades legais vindo por aí. Hoje, tenho me reservado um pouco mais quanto à minha vida pessoal. O que ninguém sabe, ninguém atrapalha", acrescenta ele, aos risos.

Leno Maycon diz que não vê tudo que aconteceu com ele como algo ruim. "Porque através de um erro, eu pude refletir sobre diversas outras atitudes. E hoje, sou um Nego do Borel que pensa muito mais antes de falar qualquer coisa", explica ele. "Tenho buscado aprender mais sobre todas as bandeiras, estudando sobre as causas que cada uma defende, e com isso compreendendo muito mais sobre muitas outras coisas", completa.

Reflexão

O cantor afirma que esse é um exercício que todos deveriam fazer diariamente: tentar conhecer a história das pessoas e se colocar no lugar delas. "Eu também sou um cara negro que veio de uma comunidade, e, embora tenha muito orgulho disso, também já sofri com isso, que é algo que nunca vai sair de mim, e nem deixará de me rotular. Vivo muito isso", justifica.

Nego ainda vai além: "O meu erro deve servir como inspiração para outras pessoas que pensam daquela forma a não cometerem o mesmo erro".

 

Comentários