Taís Araújo   -  Globo/Ramón Vasconcelos
Taís Araújo Globo/Ramón Vasconcelos
Por Meia Hora
Rio - Enquanto se prepara para voltar as telinhas, Taís Araújo admitiu que não se sentia uma inspiração. Durante o evento Profissionais do Ano, em São Paulo, a atriz revelou que tinha vergonha de ocupar um lugar de relevância no trabalho.

"As atrizes que vieram antes tinham idade para ser minhas avós, minhas mães, era algo muito distante de mim. É isso que a maturidade traz de bom: você entende que tudo bem estar nesse lugar, que não é um problema. Pelo contrário, é muito legal" disse.

Taís afirmou que entende a importância de haver artistas negros e bem sucedidos para abrir espaço de representatividade. "Sou alimentada por essas meninas da nova geração o tempo inteiro, quando as escuto falo 'ai que legal'. Alimenta meu trabalho, minha vontade de estar no palco, a qualidade das minhas escolhas, que não cabem só a mim, e também meu pensamento como atriz e cidadã", refletiu.

Por fim, ela recordou uma conversa que teve sobre as gerações mais novas com a atriz Jéssica Ellen e os problemas que as anteriores que tiveram. "A primeira vez que ouvi isso tomei como ofensa, hoje vejo que não precisa mesmo. Avançamos. Tomara que minha filha não tenha que passar pelo que essa geração passa agora".