Nelson Sargento recebe ajuda em vaquinha virtual

Mulher do compositor da Mangueira diz que ele "não está passando fome' e conta que dinheiro arrecadado vai pagar as despesas da casa

Por O Dia

Nelson Sargento
Nelson Sargento -

Rio - O amor de Nelson Sargento pelo samba e pelas artes vem de outros carnavais, e o mosaico colorido de muitas escolas de samba do Rio de Janeiro carregam, em sua história, a marca da cadência de Sargento. Com sambas-enredo, o companheiro de Cartola brilhou na Avenida com o verde e rosa da Mangueira, e por ela desfilou por muitos anos. Mas agora, com shows cancelados por causa da pandemia do coronavírus, o sambista de 95 anos, assim como muitos colegas de profissão, sente no bolso a dificuldade de não poder exercer a profissão. Sua esposa, Evonete Mattos, porém, tomou a frente da situação. 

Na terça-feira passada, junto com amigos do compositor, Evonete criou uma vaquinha online para ajudar a pagar as contas da casa, além de medicamentos e alimentação, mas reforça que a família não está passando por dificuldades. "O Nelson não está passando fome, mas precisamos comprar as coisas do dia a dia. Nossa principal meta é deixá-lo tranquilo e evitar que ele sinta que precisa retornar aos palcos. Quero que ele tenha condição de fazer o que ama de dentro de casa", conta.

Encerrada na última quinta-feira, a vaquinha arrecadou mais de R$ 47 mil. Além da contribuição digital, Evonete conta que, ainda na terça passada, começou a venda online de boa parte dos ternos do marido, à exceção de três, dentre eles, o traje usado no desfile da Mangueira em homenagem a Maria Bethânia, em 2016. "Estou muito agradecida, de coração, a todos que ajudaram o Nelson ou que quiseram ajudar, mas não têm condição", comemora Evonete. Com o apoio consolidado de amigos, familiares e parceiros de carreira, ela conta que Sargento chora e se surpreende com o que há de bom na humanidade.

A ajuda também veio de Livea Mattos, nora de Nelson, que o inscreveu no projeto Arte como Respiro: múltiplos editais de emergência, do Itaú Cultural. O compositor foi um dos 200 artistas selecionados para divulgar seu trabalho em parceria com a organização. Além disso, Livea ainda planeja uma programação especial para o aniversário de Sargento. "Estamos avaliando algumas possibilidades para garantir um resultado muito digno para ele dentro das normas de distanciamento social. Ele nunca passou o aniversário em branco, e agora não vai ser diferente", afirma ela. Em 25 de julho, o bamba da Verde e Rosa completa 96 anos.  

Classe cultural na pandemia 

Nos palcos e em bares da Zona Sul do Rio, o caminho do músico Luís Filipe de Lima se entrelaça com o de Nelson Sargento, uma amizade de décadas pautada em respeito e inspiração. "Nelson não é importante apenas para o samba, mas também sempre foi um cara correto, positivo e solidário. Não há história sobre ele que não ressalte sua humanidade", pontua. De imediato, Luís Filipe se mobilizou para ajudar o compositor e conta que o aperto durante a pandemia afeta boa parte da classe dos músicos.

No fim de maio, Luís Filipe vendeu um violão e, com a ajuda da ex-esposa, começou uma vaquinha online para ajudar com as contas de casa. "Mesmo antes da pandemia, a bola de neve estava crescendo para muitos de nós e, agora, apenas se acentua com o isolamento. Conheço muitos colegas que vinham vendendo equipamentos de trabalho, como instrumentos", lamenta ele, acrescentando que o aperto sentido pelo setor cultural começou com a crise econômica de 2016. 

 

* Reportagem da estagiária Júlia Noia sob supervisão de Paulo Ricardo Moreira

Galeria de Fotos

Nelson Sargento Divulgação
Sem shows, Nelson Sargento sofre com aperto financeiro durante pandemia Divulgação
Nelson Sargento Divulgação
Nelson Sargento Divulgação/Edinho Alves

Comentários