Tunico da Vila - Atitude Inicial / Divulgação
Tunico da VilaAtitude Inicial / Divulgação
Por O Dia
Rio - O sambista Tunico da Vila viu seu número de seguidores mais que dobrar e atingiu 1,5 milhões de streams nos principais aplicativos de música durante a pandemia. Em março ele tinha 50 mil seguidores em suas mídias sociais e em junho o artista atingiu 117 mil seguidores. Seu novo álbum 'Fases da Vida', lançado em abril desse ano, passou da marca de 1 milhão no Spotify e na Deezer em 3 meses de lançamento. Só no mês de junho, com o crescimento do debate sobre antirracismo no país e no mundo, houve um aumento de 22% no número de ouvintes no Spotify em relação ao mês de maio.

Assim como o mercado literário, que também registrou aumento na venda de livros de autores negros como Djamila Ribeiro e Conceição Evaristo, o mercado da música se viu fortalecido com o crescimento do debate sobre antirracismo. Exemplos como de Tunico da Vila, o rapper Kamau atingiu 100 mil seguidores no Twitter e falou sobre isso em suas mídias. A sambista Teresa Cristina também apontou a questão racial no seu primeiro patrocínio de marca.
No mês de junho, os aplicativos de música participaram do movimento 'Blackout Tuesday' e potencializaram vozes negras em apoio aos manifestos antirracistas. O sambista Tunico da Vila teve seis de suas músicas inseridas na playlist “Vozes Negras Importam” no Spotify.

"Faço artivismo, arte com ativismo há 17 anos, faço shows temáticos, em todos os meus três álbuns e EP´s que lancei dou minha contribuição cantando a arte negra, a origem africana do samba e o samba de terreiro. Esse enxergar hoje é importante, principalmente porque a música negra é coletiva e é uma reverência aos que vieram antes da gente. Isso tá lá em ‘Quero, Quero’ que é ubuntu puro, filosofia africana na veia, em ‘Na beira do mar’ que é um resgate da tradição do samba, o partido-alto, e em ‘Cadê Você Cavaquinho?’, todas com participações de artistas negros, do samba e do rap, que são culturas mensageiras. Em plena pandemia, uma tragédia humanitária, ver minha arte aliviando tanta gente, é pra acreditar que em todos os momentos têm coisas boas acontecendo e pessoas renovando seus sonhos. Não posso deixar de agradecer o que está acontecendo mesmo que seja nesse momento", fala Tunico da Vila, que teve sua base de ouvintes expandida para além do Brasil, alcançando países como Estados Unidos, países da Europa como Portugal e Espanha e da América Latina como Argentina e Uruguai.