70 anos da TV: apresentadores relembram momentos marcantes

'Globo Repórter' de amanhã traz especial com retrospectiva

Por Juliana Pimenta

Gloria Maria
Gloria Maria -

Rio - Amanhã, completam-se 70 anos do início comercial da televisão no Brasil. Em comemoração, o 'Globo Repórter' exibe um programa especial com entrevista de atores, personalidades e apresentadores que ajudaram a fazer a história dessas sete décadas. A atração, que vai ao ar às 23h, depois de 'Fina Estampa', remonta ao começo da TV e ouve relatos de lembranças desse primeiro contato com a caixa mágica de sons e imagens.

O ator Lima Duarte, que participou da primeira transmissão, e Sonia Maria Dorce, primeira criança a aparecer na tela, vão compartilhar suas experiências no especial. Lima estava no estúdio da Tupi na inauguração e Sonia, conhecida como Indiazinha, lembra porque Assis Chateaubriand teve a ideia de colocar um cocar em sua cabeça.

O programa é a primeira parte da celebração dos 70 anos da TV. Na sexta-feira seguinte, dia 25, será exibida a continuação da retrospectiva e mais uma série de homenagem. Além de Sandra Annenberg e Gloria Maria, o especial conta com Edney Silvestre, Isabela Assumpção e Renato Machado na produção de reportagens.

 

Edney Silvestre

Aos 70 anos, Edney Silvestre conta que sua primeira lembrança relacionada à TV foi o rosto de Fernanda Montenegro. "Era um programa chamado 'Grande Teatro Tupi', na peça 'O Anjo de Pedra'. Ali eu confirmei que eu tinha uma grande paixão pelas possibilidades que essa mídia nova oferecia. Na minha cidade, não havia televisão no começo, quando a TV Tupi foi fundada", conta o jornalista, que destaca um momento marcante da sua trajetória no 'Globo Repórter'.

"Um foi quando percorri uma estrada no Mato Grosso do Sul, seguindo um casal de aposentados que descobriu como ter uma vida mais feliz adaptando um caminhão como uma casa móvel. Eles me ensinaram não apenas a viver com menos, mas também me deram a oportunidade de conhecer um Brasil vasto".

Gloria Maria

Ícone feminino na TV brasileira, Gloria Maria destaca a evolução da comunicação ao longo dos anos. "A mudança mais impactante foi a condição da TV de aproximar mais os brasileiros e fazer com que tivessem a possibilidade de se ver e de se reconhecer. Fazer com que esse país ficasse menor. A gente começou a ter ideia de tudo o que cabe dentro dele. Essa foi a mudança mais impactante e isso aconteceu a partir do momento em que a televisão se tornou uma rede, por causa do 'Jornal Nacional'", reflete a apresentadora, que ainda pondera sobre o momento atual.

"O papel mais importante da TV nesse ano de 2020 é informar. É fazer com que, nesse momento tão difícil, tão complicado e tão inesperado, a gente possa ter certeza, saber e conhecer exatamente o que acontece. Esse ano a televisão foi fundamental e determinante na informação".

Isabela Assumpção

Após 40 anos no 'Globo Repórter', Isabela Assumpção destaca alguns momentos especiais. "Difícil escolher. Mas tem a cobertura do massacre da Casa de Detenção. Entrevistas com figuras incríveis, como o juiz Giovani Falcone, que combateu a máfia italiana. A cobertura da morte de Tancredo Neves, de Elis Regina e tantos outros", comenta a jornalista que ressalta que o mais importante é "dar voz ao povo".

E, para Isabela, a primeira memória sobre televisão está relacionada ao seu começo de carreira. "É do meu primeiro dia de trabalho, sem ter a menor ideia de como fazer televisão e saber que estava sendo vista por milhões de pessoas na minha primeira matéria no 'Jornal Nacional'. O telejornalismo é um produto absolutamente democrático, abrangente, de alcance inimaginável. É para esse imenso universo que falamos", destaca.

Renato Machado

Renato Machado também tem sua memória favorita no 'Globo Repórter'. O apresentador relembra uma matéria que acabou sendo também uma aventura. "Foi uma reportagem chamada 'O Delírio da Velocidade', que foi ao ar em 1989. Era um voo em um supersônico Mirage 3, da Força Aérea Brasileira. Nós subimos em Anápolis, em Goiás, fomos até o norte de Goiás e voltamos em 20 minutos. Nesse voo, ultrapassamos a barreira do som. Foi uma experiência inesquecível", conta.

Atento às notícias, o jornalista ainda reforça o valor das informações passadas pela TV em momentos de crise. "A importância é crucial. O jornalismo televisivo cresceu exponencialmente, de tal forma que hoje é difícil uma pessoa ficar mais de 24 horas sem ver ou ouvir um noticiário na televisão"

Comentários