Por rafael.arantes
Publicado 17/05/2013 17:29 | Atualizado 17/05/2013 17:59

Rio - Ele é cria do Império Serrano e filho, simplesmente, de um dos maiores ícones da Verde e Branco de Madureira. Herdeiro do lendário Roberto Ribeiro, Alex Ribeiro leva a vida seguindo os passos do pai, falecido em 1996. Atualmente focado na carreira de cantor, ele se mudou para São Paulo, mas ainda dedica parte do tempo ao pavilhão imperiano.

Dos "trinta e lá vai samba enredo", como disse ao relembrar os versos de Roberto, Alex aposta na música como o melhor caminho para a vida profissional. Com o desejo de conseguir lançar um CD em homenagem ao pai, o cantor conversou com o DIA na Folia e falou um pouco sobre a relação com a música e as saudades presentes. Outro grande sonho tem ligação direta com o a escola da Serrinha e um lugar especial deixado pelo eterno sambista. Confira, na íntegra, a entrevista com Alex Ribeiro:

Alex Ribeiro segue os passos do pai na músicaDivulgação

DIA na Folia: Como é ser associado ao nome de seu pai?
Alex Ribeiro: É maravilhoso, eu não seria o que eu sou se não fosse ele. Tenho muito orgulho disso e, às vezes, as pessoas perguntam se tem problema de me chamarem de "Alex Ribeiro, filho do Roberto Ribeiro", aí digo que não. Tem problema o Alex Ribeiro, filho do Roberto pode deixar, é maior orgulho da minha vida ser filho dele. Hoje eu vivo de samba, conheço vários estados pelo samba, fazendo shows para 10, 15 mil pessoas e isso é graças ao meu pai e também ao meu talento, é claro. Conheço muita gente que tem até mais talento que eu mas não tem essa abertura né?, Meu pai deixou isto para mim. Sempre teve muito respeito, era amado por todos. Os fãs até choram ao me ver cantando músicas dele. Só tenho a agradecer.

Existe uma cobrança por conta desta relação?
A cobrança parte mais de mim. Meu pai foi um sambista ímpar. Sempre bem alinhado, bem arrumado, então eu cobro muito isso de mim mesmo. Não bebo, quero tudo certinho. Mas não há cobrança dos fãs, existe o carinho e o respeito. A maior cobrança que há em relaçao a isso vem daqui de dentro.

E as lembranças?
Faz pouco tempo, sou filho único, então parece que foi ontem. Sinto muita saudade e muita falta dele. Foi um pai maravilhoso, um amigo maravilhoso e um grande artista. Tenho muita saudade, mas fico muito feliz por tudo o que ele deixou para mim. Tenho dois filhos, o Felipe, de seis anos, e o Júnior, de 13, e eles idolatram o avô também. O meu pai me proporcionou coisas maravilhosas, como ser afilhado de Elza Soares e Jorge Aragão no samba. É muita coisa boa, é muita lembrança do bem.

Brincadeiras à parte: Ao lado do pai, Alex posa com a camisa do Flamengo. Coração é alvinegroarquivo pessoal

Ele era um grande botafoguense...
Eita, isso dá história (risos). Já chegaram até a me perguntar sobre uma foto que tirei com a camisa do Flamengo ao lado dele. Ela foi quando o Botafogo perdeu de 6 a 0 para o Flamengo e minha mae a colocou em mim. Mas eu sou Botafogo. E por causa dele..

Como estão os projetos na música?
Neste momento estou no Rio, mas atualmente moro em São Paulo. Aqui no Rio estava meio complicado, mas está tudo caminhando bem agora. Sigo fazendo shows por todo o Brasil. Belém, Recife, Mato Grosso, Brasilia, São Paulo, no Sul.. Enfim.. A carreira esta indo bem, casa cheia sempre.

Pensa em lançar um CD?
Cara, está todo mundo cobrando. Vou te falar a verdade, as pessoas falam comigo que sou o artista sem CD que faz mais show até. Mas estou correndo atras de parcerias para conseguir fazer este projeto, inclusive, em homenagem ao meu pai. Nunca fiz esta homenagem para ele mas tenho esse sonho, estou correndo atras. Comecei a gravar com Alceu Maia na produção, gravamos três músicas, mas demos uma parada e sigo no aguardo destas parcerias, alguém que queira abraçar este projeto. 

O que dizer da sua história com o Império Serrano?
O Império é a casa do meu pai, ele é um dos maiores ídolos da escola e eu nasci ali dentro. Sou fundador do Império do Futuro, a primeira escola de samba mirim do Brasil. Comecei minha historia lá com 10 anos, concorri com samba-enredo e perdi na final neste ano, e faço parte da ala dos compositores por lá, é a minha casa também. Até fiz parte do carro de som em 2012 e 2013 defendendo o hino da escola.

E no próximo Carnaval..
Estarei lá também. Vou defender mais uma vez este pavilhão no carro de som.

Tem o desejo de chegar ao posto de intérprete oficial da escola?
Com certeza, estou me preparando para isso. Existem pessoas falando comigo sobre este assunto, que estão adorando meu trabalho e que esperam poder me ver lá um dia. Meu pai foi intérprete do Império durante 10 anos, era considerado um dos maiores e deixou esse lugar lá. Sonho em ocupar esta cadeira que ele deixou guardada. Guardada para mim...

Alex Ribeiro tem grande ligação com o Império SerranoDivulgação


Você pode gostar