Coleção ‘Cadernos de Samba’ revela os bastidores do Carnaval carioca

Aydano André Motta, Leonardo Bruno e Bárbara Pereira são os responsáveis pelos três novos títulos que serão lançados na próxima terça-feira

Por daniela.lima

Rio - O ponto de encontro na Cidade do Samba para a realização das fotos que ilustram esta matéria é sugerido pelo jornalista Aydano André Motta. “Será em frente ao barracão da Deusa da Passarela, a Beija-Flor de Nilópolis”, derrete-se, sem pensar no possível descontentamento dos amigos Leonardo Bruno, um portelense apaixonado, e Bárbara Pereira, que fugia de casa, ainda criança, para ver — e ouvir — de perto a bateria da Mocidade Independente de Padre Miguel. 

Coleção ‘Cadernos de Samba’ revela os bastidores do Carnaval cariocaAlessandro Costa / Agência O Dia


Rivalidades carnavalescas à parte, eles se uniram e lançam, na próxima terça-feira, dia 26, três novos títulos da coleção ‘Cadernos de Samba’: ‘Onze Mulheres Incríveis do Carnaval Carioca — Histórias de Porta-Bandeiras’, escrito por Aydano; ‘Estrela Que Me Faz Sonhar — Histórias da Mocidade’, elaborado por Bárbara, e ‘Explode, Coração — Histórias do Salgueiro’, concebido por Leonardo, que, apesar do amor à Portela, se rendeu à Vermelha e Branca da Tijuca para produzir o livro. O projeto é editado pela Verso Brasil.

“Ainda há um preconceito geral em relação ao Carnaval. Tenho amigos que não entendem o fato de eu frequentar uma quadra de escola de samba. Dizem: ‘Ah, esse antro de bandidos!’ A gente foi vendo que tem um monte de mito para derrubar e muita coisa para contar. Vários artistas deveriam ser celebrados constantemente e não são”, acredita Aydano, organizador da coleção, lançada há um ano, que surgiu a partir de sua relação com a escola de Nilópolis.

O livro dele, que reverencia 11 guardiãs do mais importante símbolo de uma agremiação, não tem a intenção de eleger as melhores. “Não mesmo. Conto as histórias de amor que elas têm pela função, que é algo mais profundo do que eu imaginava. Primeiro, coloquei as obrigatórias. Não poderia sair na rua como escritor de um livro de porta-bandeiras sem citar Neide (Mangueira), Vilma (Portela) e Selminha (Beija-Flor). Depois, fui ouvindo outras histórias incríveis”, explica o autor, para citar, em seguida, um dos depoimentos mais emocionantes que ouviu. “A Neide morreu com 40 anos. Era parceira do Delegado, maior mestre-sala de todos os tempos. Ela teve câncer no útero e escondeu isso de todo mundo por medo de ser impedida de desfilar. Ou seja, preferiu morrer a perder o lugar no Carnaval”, conta. 

Marcella Alves é a porta-bandeira do SalgueiroAlessandro Costa / Agência O Dia


POR TRÁS DAS GIGANTES

Ao pesquisarem para seus livros, os também jornalistas Bárbara Pereira e Leonardo Bruno se depararam com histórias tão interessantes quanto as das porta-bandeiras de Aydano. “Não conto como o Salgueiro foi fundado e quantas vezes a escola foi campeã. Falo sobre as pessoas que fizeram a história: líderes, poetas, dançarinos. ‘Explode, Coração’ é um livro de personagens e de boas histórias”, define Leonardo. “No passado, não sabiam como denominar uma passista. As chamavam de dançarinas, baianas e até mesmo malabaristas. Até que uma integrante do Salgueiro, a Paula, foi reconhecida por seus passos diferentes e, enfim, chegaram a uma definição: ela era uma passista”, continua Leonardo, empolgado.

Bárbara, por sua vez, não esconde de ninguém que seu livro ‘Estrela Que Me Faz Sonhar’ é escrito por uma torcedora. Por ter acompanhado a escola de Padre Miguel desde criança, quando morava em Realengo, na Zona Oeste, ela sabe o que diz. E lamenta o momento pelo qual a escola está passando. “A Mocidade não vai para o desfile das campeãs desde 2004. O que aconteceu durante esta década? Falo sobre isso no livro. E, como fã, espero que ela volte a ter coragem para ousar. Não pode ter medo. Com o tempo, ela parece que ficou tímida, perdendo sua identidade. Se não mudar, pode se perder, como tantas outras”, diz.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia